É ele perto de dizer eu te amo

O amor é a experiência mais intensa que podemos sentir na vida. É um sentimento ímpar que desejamos demonstrar à nossa alma gêmea através das palavras mais românticas, de gestos apaixonados ou presentes maravilhosos.. 1. Pequenos gestos. O amor é uma coisa grandiosa, mas como tudo que é importante na vida, é nas pequenas atitudes que ele se revela verdadeiro e nos sensibiliza. Como dizer “eu te amo”: #1. Analua Netuno 2 Comentários “Os meus olhos sempre me denunciaram. De forma bem covarde, eles quase nunca escondem o que eu sinto e chegam até a transparecer o que eu estou pensando. ... Tudo que não tem ele é quase descartável. ... Aquela mesma novelinha de mandar um bom dia, de perguntar se tá bem, de se ... 12. Perto ou longe. Eu te amo e você me ama, no meu coração você sempre estará, aqui ou ali, perto ou longe, onde você estiver, ele estará! 13. Encontro. Eu encontrei o amor quando encontrei você. Dizer `eu te amo` não é fácil. Depois de sentirmos no peito a certeza genuína do amor, vem a dúvida do melhor momento e do jeito certo de dizer. E junto com a dúvida, vem também o famigerado medo de não ouvir uma palavra de reciprocidade, de não ouvir o ecoar da voz do outro ao dizer `eu também te amo`. Nem sempre vivemos um amor correspondido, e às vezes até desperdiçamos ... Para alguns homens dizer “eu te amo” pode ser muito difícil e, portanto, eles procuram transmitir isso através de feitos ou presentes materiais. Um ursinho escrito “eu te amo” é cafona, mas pode ser ele tentando se expressar, entendeu? 4. Ser seu melhor amigo Sabendo disso, veja como determinar quando é o momento ideal para dizer: “Eu amo você”. 1. Você realmente conhece seu parceiro. Se você está tentando descobrir o momento certo para você dizer a ele(a) o quanto o(a) ama, é importante que você veja mais de perto sua conexão com ele(a).

Razão ???

2020.09.18 19:01 HappyPressure8291 Razão ???

Então, recentemente eu e meu namorado temos desgastado bastante a relação com discussões relacionadas a insegurança, paranoia e etc. E penso que por agir muito pelo emocional, eu acabo sendo a mais imatura da discussão, não é fácil lidar com isso, pois essa imaturidade atinge muito mais a minha pessoa, visto que ele super compreende eu estar sendo emotiva e achar que não aconteceu nada de mais. Um exemplo bem prático disso é o fato de ontem termos discutido e ele foi dormir tranquilo e falando que me ama mesmo eu super brava e pedindo pra ele tirar a foto de perfil e aceitar que vamos terminar por que não tem muito o que se fazer, enquanto que fiquei a madrugada toda pensando em muita coisa e fazendo testes de insegurança, de saber se o parceiro é traíra. Bom depois de tudo que eu disse acima, já devem imaginar quem é o mais inseguro da relação, ah também sou a paranoica(óbvio) e sou para a surpresa de quase ninguém. Muito ciumenta, e foi por esse motivo em especifico que brigamos, eu não consigo ver esperanças na minha evolução, e sinceramente, o que era um ciúme normal é que tá evoluindo pra outras coisas piores(possessão e etc. ), talvez por que tenho andado mais emotiva que antes nessa pandemia(no qual muita coisa ruim tem acontecido na minha casa) não sei... Mas fiz essa postagem por que estou muito indecisa racionalmente sobre uma questão. Uma amiga nova chegou na área, que na verdade já era colega a algum tempo, mas só agora que essa amiga terminou o namoro eles conversam com certa frequência e bastante intensidade(fotos, memes, vídeos, fofoca, conversa sobre a vida), incluindo muito esforço da parte dela para manter a amizade com ele. Engraçado é que acabei me envolvendo com ela também, ela é uma ótima pessoa, mas mesmo assim me sinto muito insegura, sei que ela tem outras pessoas na vida dela, mas não entendo a insistência em ser nossa amiga, pois nem parece que ela gosta mesmo de mim, e o meu emocional com certeza afirma que ficaria muito feliz com o termino da amizade entre eles. Mas racionalmente sei que isso é muito abusivo, eu controlar algo que eu nem deveria. Mas para frisar minha insegurança, tenho que dizer que me assusta muito quando ela diz coisas como ''eu me apoio na amizade com um cara e acabo gostando dele, sempre fiz assim, supri minha carência com outros caras'' isso é ameaçador pra mim sabe?... Eu só consigo imaginar nela vendo o quanto meu namorado é um cara bacana e acabar gostando dele e tende real motivo para não gostar de mim e só me manter por perto por falsidade sabe?. O que aconteceu com ela no termino do namoro não desejo a ninguém, ela ainda tá muito confusa, e eu queria que ela não se sentisse assim e de certa forma culpada, então no começo até apoiei bastante a amizade dos dois, falava pra ele perguntar se ela tá bem, tentar distrair ela... me arrependo disso, eu não devia ter responsabilizado ele por algo que eu mesma poderia ter feito por ela. Mas eu queria que ela se sentisse acolhida por nos 2, e acho que é assim que ela se sente agora, mas não posso negar que ainda vejo como ameaça, não sei, talvez ela tenha mudado o suficiente para não ficar mais querendo depender emocionalmente de alguém assim... mas vai saber? isso nem é algo tão ruim quando esse alguém tá disposto a te ajudar de verdade a se sentir segura e tals. Foda é que eu não consigo estudar, pensando que vou passar muito tempo fora e que ele vai tá tão envolvido com ela, por que coincidentemente ele tava no seu intervalo de estudos, e acabou compartilhando opiniões parecidas com ela e etc... sla... muita paranoia pra descrever aqui, mas eu realmente não sinto que estou pronta pra aceitar essa amizade. Ele e ela, que eu conheço bem, combinam mais do que eu e ela ou eu e ele(ele é mais amigo dela). No jeitinho de ser, de acreditar nas pessoas, pensar o melhor delas kk. Eu não sou assim vey... já sofri demais com as pessoas pra isso, inclusive da parte desse namorado, coisas parcialmente superadas, mas que a gente ignora, e que, desde que não aconteça de novo, da pra manter a relação. Resumindo, essa gama de defeitinhos meus, me fazem ter certeza de que eu só tenho algumas poucas soluções racionais pra isso tudo, vou listar 3: 1- Continuar próximo dos dois(por que longe eu já não consigo aceitar gst dos 2, n qro parecer um monstro, só sou humana sabe: imperfeita, cheia de problema, depressiva, ansiosa, to carente e etc kkk) e me esforçar(mesmo que doa muito) pra acreditar(mesmo que seja difícil demais) que eles só serão amigos mesmo; 2- terminar o namoro e desejar muita felicidade pra ambos que foram meio que motivo do termino, juntos ou não e 3- fazer que ele se distancie dela por tempo indeterminado, mas se possível bem breve(gosto que ele tenha amigos, isso faz ele feliz), até que eu pense melhor sobre tudo, sem que eu precise me distanciar dele que é a pessoa que eu mais amo, alias a distância entre ela e eu nem é uma opção, mas pode ser sim consequência, só que de fato eu até gosto de compreender o significado que ela tem na vida das pessoas ao redor dela e vejo isso conversando com ela, o que é bom, já que meu namorado é um pouco sonso ao me dizer o que ele acha que ela significa pra ele, ele diz: ''não sinto nada'' mas até eu não consigo dizer isso aí. Sinto compaixão por ela, carisma da parte dela, simpatia e etc. Mas vale lembrar que tenho um pouquinho de medo, por que acho ela muito melhor que eu, só por ter essa essência e ela auto afirmar as vezes que consegue conquistar qualquer um com boa conversa, é mais ameaçador ainda, e pode ser bobo mas por mais que no começo eu achava fofo agora comentar ''que casal fofo'' e coisas similares a ''meu casal''(Vitão 2018), me causa pavor, kkkk brincadeirinha kkk. Raiva tenho também, mas só dele mesmo, por ser sonso a ponto de dizer também ''que tal nos usar essa metadinha de 3 com ela?''. AFF do nada, num momento nosso qnd estamos vendo fotos juntos e umas metadinhas DE CASAL pra usarmos. Na verdade, se eu não fosse tão insegura até que seria uma boa ideia, mas qualé, ele sabe como sou... acho que me desrespeitou nesse sentido, de ver que eu tava me esforçando pra não falar dela, pq sempre acabo desgastando muito a relação cm muita paranoia, e ele ir e falar dela, me deixa pensativa e séria de novo, pra compensar ele concordou com essa terceira opção minha ''3 fazer que ele se distancie dela por tempo indeterminado, mas se possível bem breve''. Que sinceramente seria a que mais me deixaria feliz, e aí gente, acham que se eu repensar, consigo equilibrar melhor a razão e a emoção? e talvez ache uma opção mais sensata do que essa última. Acham que estou sendo ciumenta em excesso? e que eu devo me responsabilizar sozinha(msm ele sendo um fator pra minha insegurança) por isso, não terminando mas dando um jeito. ME AJUDEM! EU QUERO SER UMA BOA PESSOA, sem isso eu não me sinto mais nada nesse mundo e posso querer acabar com tudo logo(eu sei que preciso de terapia), por que só vejo sentido naquilo que tem sentimento e minha vida se resume muito a ser boa pra ele, alguns amigos e pro meu doguinho que ele prometeu cuidar caso algo aconteça comigo. :) ''Por que não vou ao psicólogo? bom, não tenho grana, simples. Desde já agradeço a pessoa que ler esse texto enorme, tentei ser bem objetiva e clara sobre tudo, espero que tenham compreendido.
submitted by HappyPressure8291 to desabafos [link] [comments]


2020.08.31 20:01 Naaanka Sou babaca por rejeitar alguém que me ama faz tempo?

Olá Luba, editores e turma!! Hoje venho pedir ajuda de vocês em um caso que já não sei o que fazer. Eu conheço um rapaz, eu o chamo de "M", que trabalhou comigo por um tempo. Nesse período em que trabalhamos juntos, ele se aproximou bastante de mim e ele tem gosto bem legais como criar rgp's, criar todos os monstros que usa, fora os quadros e outras coisas mais. Enfim, sempre andávamos juntos por conta do trabalho. Com o tempo, ele começou a ser um pouco mais "íntimo" com as palavras comigo, me elogiava bastante e reagia de maneira estranha quando um outro rapaz estava perto de mim. Um tempo atrás ele decidiu me chamar para almoçar e se declarou pra mim, disse que estava esperando o momento certo para dizer. Eu fiquei lisonjeada, mas disse que não sentia o mesmo, ele agiu normalmente e disse que tudo bem mas que não deixaria de "me pentelhar". Eu levei na brincadeira e disse tudo bem. Uns meses atrás eu comecei um relacionamento, estava bem com esse meu namorado e um dia, o "M", no meio de uma conversa sobre jogos ele disse que me amava, eu apenas disse obrigada e avisei que estava namorando, ele ficou meio chocado e disse que sequer sabia disso mas que também não deixaria "de me pentelhar" só porque estava namorando ( essa frase com ele é comum ). Uns dias atrás, ele me mandou algumas fotos que tinha tirado de mim na época em que trabalhávamos juntos, eu nunca tive ciencia dessas fotos e me senti muito incomodada com essa invasão, ele também continuou dizendo que fazia porque me amava e queria ter mais coisas sobre mim, até hoje ele continua mandando esses "eu te amo", já até partiu para algo bem mais pesado ( coisa que já havia falado que me deixa desconfortável ) Recentemente eu avisei que estava me sentindo mal sobre isso e que não correspondo os sentimentos dele. Ele ficou chateado e parou de mandar mensagens, uma amiga em comum disse que fui grossa com ele, já meus amigos dizem que não, que demorei demais para dizer isso a ele.
Enfim, sou babaca?
submitted by Naaanka to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.09 14:16 ImindR Não vejo nada de bom na introversão.

Bom, eu não sei como começar isso aqui mas já digo que não vai ser algo muito fácil de entender, até porque nem eu mesmo me entendo, então, para quem for ler, apenas peço que tente me entender da melhor forma possível.
O motivo desse desabafo é achar alguém ou algo que possa me ajudar a entender o jeito que eu sou para que eu tente de alguma forma melhorar.
Enfim, tenho 17 anos, e a pouco tempo descobri que sou introvetido, isso depois de uma grande e recente lista de pesquisa e testes de personalidades que eu realizei pela internet, eu como minha mãe e irmaõs, sempre achamos que eu só era tímido e anti-social, mas procurei me informar melhor agora devido a uma serie de eventos que me vieram questionar o por que eu sou assim.
Eu sempre me achei bem normal do jeito que eu era, só achava mesmo que eu era tímido e que certos comportamentos viam por causa da timidez em si, não por causa de algo mais abrangente como a introversão.
Para quem está boiando e não sabe o'que estou falando é fácil, pegue todo conceito que você possui de extrovertido (que é uma palavra que conhecem bem diferente do introvertido) e inverte, bom, é basicamente isso, introversão consiste em viver mais dentro do que fora, pensando mais do que falando, planejando mais do que fazendo, sobrevivendo mais do que vivendo.
Muitos dizem que possui inúmeras vantagens em ser introvertido, que pessoas assim mudaram o mundo, e, realmente mudaram, eu não nego isso isso de jeito nenhum, porém essas pessoas tinham um grande diferencial de mim, o fato de eles se aceitarem do jeito que eram.
Eu após ler todo conceito de introversão e ver que simplesmente todo comportamento, ações, reações se aplicavam totalmente ao que eu era, eu entrei num estagio da minha vida que eu não sei mais quem eu sou, não sei o'que devo fazer, não sei a quem recorrer, e isso só anda me trazendo duvidas que estão aos poucos me matando.
Eu não entendo nenhuma das vantagens que dizem que possuem os introvertidos, como uma verdadeira vantagem, para mim são apenas tentativa das pessoas transformarem um comportamento totalmente generico em algo que pareça uma grande vantagem quando na verdade qualquer pessoa pode ser aquilo se ela realmente quiser, um bom exemplo disso é quando dizem que introvertidos são bons ouvintes, e sim, nos realmente somos, mas não por que nos vamos te ouvir e ter realmente algo importante a dizer, mas sim por que a maioria de nós simplesmente ou não diz nada após ouvir alguém falando, ou estão muito ocupados pensando no que dizer que não percebem o tempo passando e no final acabam que não dizem nada, que é o meu caso.
Eu desenvolvi depressão por conta desse comportamento introvertido, sofri bulliyng, perdi amizades, chances de ter algum relacionamento, e diversas outras coisas.
E isso, além de muitas outras coisas só dificultam mais o meu dia-dia, aqui vai uma lista das minhas maiores dificuldades:
- Eu me importo demais com o'que acham de mim e isso me limita a ser quem eu sou, por isso sou muito mais aberto na internet do que fora dela.
- Tenho extrema dificuldade em me expressar, muitas vezes tenho dificuldade até em dizer "eu te amo" para alguém que realmente amo por medo de parecer estranho, até enquanto escrevo isso sinto que não estou me expressando da maneira certa.
- Eu não sei usar muito bem as palavras e muitas das vezes em me embolo na hora de me expressar, por isso acabo planejando o'que dizer, o'que muitas vezes da errado pois isso não passa de uma tentativa de tentar controlar o'que vai acontecer e como as pessoas vão reagir, e bom, todos inclusive eu, sabemos que isso é impossivel e mesmo sendo totalmente coinsciente disso, eu continuando planejando o'que falar em TODOS os tipos de situações para não me embolar no que digo e a pessoa me entender errado.
- Eu não sei manter uma conversa, sinto que simplesmente tudo o'que digo é vago e não deixa espaço paras as pessoas responderem, por mais que o'que eu diga as vezes seja engraçado é sempre vago, a pessoa ri e pronto, resumindo, sinto que não tenho papo pra manter algo fluido com alguém.
- Me sinto burro, não só em matérias escolares, mas também na forma de lidar com situações que muitas vezes são TOTALMENTE normais.
Isso são apenas descrições bem vagas de minhas maiores dificuldades e bom isso tudo se aplica a certas coisas que andam acontecendo na minha vida.
Um bom exemplo é uma garota que conheci do Ceara, conheci ela de uma maneira bem estranha mas enfim, essa garota é a causa de umas das minhas maiores duvidas internas ultimamente pois, é o tipo de pessoa extremamente extrovertida, o oposto total de mim, e bom, o'que eu tenho com ela é basicamente, eu gosto dela e ela de mim (sim, ela gosta de mim, mesmo eu tendo dado essa triste descrição sobre mim anteriormente), e bom essa garota, desde que eu falei isso pra ela, e ela pra mim, ela tem me ligado todos os dias desde 2 de abril que foi o dia que eu a disse isso e ela me disse que era reciproco, o problema nisso tudo é a insegurança que eu SEMPRE tenho antes de atender a ligação dela, eu sempre tento planejar o meu dia todo, pois eu não dizer não pra ela, e ela quer muitas vezes me ligar o dia todo, então invento desculpas pra tentar minimizar isso, mas mesmo assim eu passo muitas vezes, 5, 6 horas falando com ela.
E bom, eu não sei por que ela ainda me liga, eu fico calado 50% do tempo por que eu simplesmente não sei conversar, eu não sei falar sobre o dia, minha vida não tem nada de muito interessante no passado por conta da introversão, eu tenho muita sorte que ela fala muito e as vezes eu acho algo pra falar no meio de tanta coisa.
Muitas vezes eu só queria entender o por que eu ser assim, eu não sei se é algo genetico, se é alguma doença que eu ainda não descobri, mas, em tudo que eu faço que seja contra a introversão, como por exemplo, ficar perto das pessoas, é como se minha mente jogasse contra mim, eu me sinto extremamente exausto, eu quero estar ali, mas é como se eu também não quisesse, e isso é uma das poucas coisas que me estressam no dia.
Eu tenho medo de não conseguir viver a vida que eu quero por causa da introversão, como vou fazer amigos, como vou me relacionar com alguém, sabe, eu sei que isso não é bem o necessario para se ter sucesso na vida, porém é o'que eu quero, mas a dúvida que eu tenho sobre mim, a merda da dúvida que eu tenho todos os dias quando me olho no espelho, e me pergunto quem eu vou ser naquele dia.
As vezes sinto que sou um livro de 17 páginas e todas elas estão em branco, sinto que sou desinteressante, dificilmente tenho história para contar, e, eu não sei como resolver isso, não sei nem se tem como resolver, só sei que isso já tomou conta da minha vida o suficiente.
Se você leu até aqui e não entendeu, eu te entendo totalmente, só peço que tente um pouco mais, e, se tiver algo para falar, por favor fale, eu sinto que realmente preciso de ajudar seja la de quem for.
submitted by ImindR to desabafos [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.03 19:58 leticiaandrade0 O dia que chutei o saco de um guri e a diretora disse que era bem feito

Oi Luba, editores, gatas e turma que está a ver. Meu nome é Letícia e amo seu canal. Vamos a história... primeiramente gostaria de dizer que não gosto de brigas, sou muito cagona pra isso, não acho legal, nem MMA consigo ver .. pq acho pesado. Então eu tinha uns 9 anos e tava na quarta série, eu era arrumadinha sabe, dessa forma tinha uns meninos que ficavam no meu pé, só que eu era muito da roça, sabe aquelas crianças inocentes e meio lesadas?! Pois é era eu. Porém me dava bem com todo mundo, desde os nerds ao pessoal do fundão. Estávamos no intervalo de uma aula pra outra, uma aula antes do recreio, e um guri que era muito atentado, sabe aquela peste da escola que as profs não sabem mais o que fazer .... O nome dele era "Carls", em uma de suas artimanhas para chamar atenção pediu que eu batesse nele, só n valia bater no estômago e na cara, eu era lesada mas tinha noção que aquilo era uma idiotice, então aceitei kkk pensei .. onde vou bater nele? Ele tava com as pernas abertas e olhos fechados ... Aí né aconteceu o que tá no título, chutei o saco dele. Ele caiu no chão se contorcendo.... Ele era muito branco, branco mesmo, mas ficou vermelho pimenta agonisando. Fiquei na hora com sentimento de culpa, e preocupada, perguntei se ele tava bem (como eu disse eu era lesada e não sabia que o saco doía tanto assim), ele disse que ia se vingar de mim. E eu fique com o c* que não passava um caroço de abacate. Pedi desculpas e o relembrei que a ideia estúpida foi dele. Ele disse que n tava nem aí, que era pra eu me preparar pq no intervalo ele ia me bater, fiquei apavorada, não gosto de brigas, ainda mais com um menino. Pense numa aula que passou rápido, fomos pra fila da merenda, eu nem tava com fome, mas fui pra pegar e dar p a amigas né. Fiquei o intervalo todo perto da diretoria ou perto de algum professor. Apitou o sinal pra finalizar o recreio e eu pensei ufa escapei... De repente eu vejo ele vindo correndo na minha direção, com cara de que ia me matar, eu corri pra perto de uma professora e disse que ele tava querendo me bater, ela nem me deu atenção. Ele então chegou perto de mim e me deu um murro no meu estômago ... Pensei que ia morrer , vi o mundo girando, e foi escurecendo... adeus vida. Mas n morri, pior dor que eu tinha sentido até alí. Fui p a diretoria com muita dor e chorando né kk e contei tudo que havia acontecido com ele e comigo. A diretora chamou ele também para apurar os fatos e disse que não queria que isso se repetisse, que ainda pensou em me dar uma suspensão mas como eu era uma aluna exemplar n ia fazer isso. Ele por outro lado levou uma suspensão de 3 dias e no final ela ainda disse que foi bem feito pra ele. E é isso. Não me julguem, não sabia que ia dar essa bagaceira kkk te amo Luba
submitted by leticiaandrade0 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.16 22:01 vivihelriguel MEU PRIMEIRO CORAÇÃO PARTIDO E O DESASTRE DEPOIS DISSO

Essa históra será muuuito longa e é mais um desabafo, entendo q após ler vc pode me achar um ser humano horrível e eu entendo, mas me arrependi muito das minhas ações se serve de alguma coisa.
Olá Luba, editores, papelões sobreviventes, gatas e turma q está a lever.
Bem minha história aconteceu ano passado (ahh saudades de 2019) eu tinha 14 anos quando tudo começou. Por uns 3 anos eu tinha uma queda pelo meu melhor amigo q é gay e tipo eu sabia disso mas continuava a gostar dele, mas em Agosto eu decidi superar esse meu amigo.E é ai q a merda começa, eu comecei a "olhar" de uma forma diferente para um outro amigo meu (vamos chamar ele de Varls) ele sempre se abria comigo e eu lembro q em um dia o Varls me contou de um dia q ele pegou uma amiga dele no cinema (e eu fiquei puta de ciúmes , do nada) foi ai q eu percebi q gostava dele muito além q um amigo , e é claro q eu comecei a ficar meio boba perto dele e tava na CARA q eu gostava dele. Passou 1 semana e eu disse pra mim mesma q "não" gostava mais dele (na real acho q só guardei esses sentimentos).Em um dia a minha sala fez tipo uma excursão pra outra escola (estávamos no 9° ano e não tinha ensino médio na escola ai nos levaram nessa escola pra ver como era) dividiram a nossa sala em 2 grupos o 1° grupo ninguém liga era todos um bando de chatos metidos, já o 2° grupo era formado por eu, meus amigos (incluindo meu amigo gay) e o varls. Eu e meu amigo gay sempre fomos bem próximos (ele sempre foi perfeito acho q por isso tive uma queda por ele) eu sempre segurava a mão dele SEMPRE e só a mão dele (era o único menino q eu andava de mão dadas), até q em um momento o Varls simplesmente segurou na minha mão (eu sei é algo normal, MAS PRA MIM NÃO) e eu deixei é claro, ai o meus sentimentos voltaram pra me fuder.No dia seguinte dessa excursão eu toda trouxa iludida q sou fui perguntar pro Varls qual menina q ele tava gostando e ai ele toodo tímido falando tipo "ain nun sei, vc conhece ela muito bem" até q ele falou q era eu. E ai vc vai começar a ver as minha atitudes questionáveis, quando ele falou isso eu entrei em pânico total parece q na minha cabeça começou a soar uma sirene dizendo "ALERTA VERMELHO, ALERTA VERMELHO" o engraçado foi minha melhor amiga Mariana (vou expor ela sim, guardem esse nome ela é uma peça importante nessa história) já toda feliz dos dois amigos dela namorando e tals (coitada outra iludida igual eu kakakaka).Depois q ele se declarou pra mim (detalhe, ele já sabia q eu gostava dele) eu fui uma completa idiota, escrota e babaca com ele; comecei a evita-lo a TODO custo, não dei satisfação nem nada só comecei a ignora-lo (me arrependo muito dessa atitude imatura minha), mas era oq eu sabia fazer de melhor fugir ou tentar fugir dos meu problemas. Bom depois de um tempo sendo MUITO fria com ele a gente voltou a conversar normalmente como éramos antes, conversamos muito principalmente pelo discord.Acho q se passou alguns meses, acho q a gente ja tava em outubro só não lembro se isso aconteceu antes ou depois do meu aniversário a gente tava conversando eu, Varls, dona Mariana e um outro amigo (ele é irrelevante) o Varls fala: "eu sei q vc ainda gosta de mim Vitória" eu eu fiquei tipo ??????? ai a Mariana (te amooo) falou: "e vc Varls ainda gosta dela?" e ele disse q TALVEZ, ai o sentimentos q estavam se normalizando em mim voltaram com força total (novamente pra me fuder). Depois virou meio q um vai e vem sem nenhum dos dois se assumindo ou tentando algo, eu por ser insegura e não estar me sentindo preparada e ele pq sei lá; nossos amigos (a gente tem o mesmo círculo de amizade) seeeempre me falavam pra eu dar uns pegas nele só q por mais q eu queria não me sentia pronta e nem segura sobre ele (como eu havia dito antes ele se abria comigo e naquele ano ele me falou q teve uma queda por umas 3 meninas da minha sala antes de mim, e eu fui a única q correspondia ele) não sei oq ele sentia por mim e eu não iria dar um salto de fé (nem fudendo). Por impaciência dos meus amigos eles meios q nos "forçaram" a algo o Varls por livre e expontânea pressão dos nossos amigos ele decidiu me pedir em namoro, levou anel e tudo, e ele se ajoelhou e pediu e eu aceitei pq tipo tava todo mundo em volta e fiquei com vergonha de dizer não, passou uns 4 minutos q ele me pediu e eu fui e chamei ele pra um cantinho e devolvi o anel, expliquei pra ele q aquela não era a hora pra mim ainda era muito imatura, mas ele não aceitou o anel e disse pra eu ficar com ele (o anel era mó bunito) OBS: perdi o anel depois hihihihihhi. A nossa amizade aparentemente continuou a mesma e eu fiquei bem feliz com isso (por mais q a gente não fosse namorar ainda estimava a amizade dele); corta pra dezembro último dia de aula, eu toda bobinha com ele esperando ele chegar na nossa festinha, esse último dia foi terrível eu e meus amigos não iriamos estudar mais juntos (estudamos por 4 anos juntos), foi uma choradeira e quando eu fui abraçar o Varls (detalhe: eu pedi pra ele ir pra mesma escola q eu ia,mas ele foi pra uma mó cara (burguês safado)) ai eu perguntei chorando litros: "a gente ainda vai se ver?" e ele disse na forma mais fria "não sei" (não escorreu uma lágrima). Esse momento é irrelevante pra história mas quero compartilhar: quando eu fui embora dei um beijo na bochecha dele e disse "adoro seu cheiro" (aliás o perfume dele era a perfeição, mas sinto uma vergonha de ter dito isso ). Corta para o começo do ano de 2020, comigo ainda sentindo algo pelo Varls e pedi para Mariana (minha fadinha linda perfeita) mandar meu novo número de celular para ele, pra ver no que ia dar, eu e Varls conversamos mas sei lá a gente não dava certo como antes, mandava mensagem no celular da Mariana fingindo ser ela (totalmente autorizado pela própria), ate q ela decidiu perguntar se ele ainda gostava de mim e eu iludida esperançosa com a resposta (sou um pouco bipolar e contraditória eu sei) bom a resposta não foi oq eu esperei, na verdade ele disse q não sabia bem ao certo e que queria só seguir em frente, essa resposta me quebrou e eu decidi fazer o mesmo né (eu já tava imaginando a nossa vida juntos, misericórdia sou muito trouxa) mas mesmo assim ele conversava e me ligava pelo discord BASTANTE, ate q um dia (eu ja estava "bem" em relação a ele) a gente começa a conversar pelo Whatsapp e ele me manda uma foto de açai (eu amo açai) e falo "se eu sonhar com açai essa noite é culpa sua" e ele me responde com "se eu sonhar com vc é culpa sua" E FIQUEI DOIDA, pouco tempo depois ele saiu da conversa (passei a noite quase toda pensando nessa maldita frase) no dia seguinte questionei ele e o Varls simplesmente disse q era uma brincadeira, isso me quebrou, depois foi eu lá mandar mensagem dizendo q ainda gostava dele e ele disse "ata" só isso, chorei horrores. O incrível q ele é super frio, e grosso comigo a Mariana tbm concorda comigo q ele é super frio, isso me deixa triste pq eu ainda gosto dele e ver q ele superou tão rápido e eu to aqui na fossa é uma merda, além disso a nossa amizade não é a mesma não temos a mesma intimidade e dinâmica de antes, e acho q não o conheço mais, em algumas vezes ele ainda é legal comigo em outras é frio, quando eu não converso com ele ta ok mas quando a gente conversa tudo começa a voltar EU TO PIRANDO DE LEVE.
Eu tenho a teoria de q ele é frio comigo como vingança pelo q fiz antes a ele mas ele tbm é frio com a Mariana, aliás eu pedi desculpas pelo q fiz antes e ele meio q me desculpou.
tá ai meu desabafo, relevem qualquer erro ou algo do tipo
submitted by vivihelriguel to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.08 06:42 ridicula_27 Como ser "apaixonada" por três pessoas totalmente diferentes

Ok, isso é muito confuso, eu que vivo isso admito que é confuso, então vou utilizar nomes fictícios pra tentar explicar melhor e que fique um pouco mais fácil de tentar entender. Essa história é enorme aviso logo, então pega um café e se senta.
Eu mudei de escola quando eu comecei o 1° ano do ensino médio, numa escola integral, passo o dia todo lá. Nessa escola eu conheci uma menina que se chamava Isabella, que era muito legal, gentil e as gente combinava em muita coisa como gosto musical, séries e coisa do tipo, ou seja, tínhamos muitas coisas pra poder conversar. A gente era grudada na escola, tipo muito, claro que a gente era aberta pra outras pessoas mas sempre estávamos juntas. E depois de um mês desde que eu conheci a Isabella, eu comecei a gostar dela, mas eu tava muito limitada por ter acabado de sair de um "relacionamento" muito abusivo, me sentia mal por gostar dela, pq esse outro relacionamento começou quando eu vi que eu tava caída de amores por uma amiga (que a propósito não tenho mais nenhum contato com ela por tanto mal que me fez), então eu fiquei muito assustada por estar acontecendo a mesma coisa com a Isabella, medo que ela pudesse me faz mal como a outra fez ou pior. E pra correr dessa situação toda me afastei da Isabella, que veio conversar comigo pra entender o que tava acontecendo. Contei toda a história dessa menina pra Isabella mas também escondi o fato que eu estava gostando dela como algo a mais, com medo de que ela se afastasse de mim. Isabella entendeu bem minhas limitações e continuou do meu lado. Nesse mesmo mês, Isabella começou a ter várias crises de ansiedade por não se adaptar a escola e as pessoas de lá, ela não se sentia bem e faltava muito as aulas e foi nesse tempo que eu conheci um menino que seu nome era Kaio, e a gente era tão inseparável quanto eu e Isabella, ele vivia na minha casa, dormia, almoçava, a gente saía, então viramos melhores amigos. Sempre estávamos juntos, e por mais que Isabella tivesse me confidenciado que sentia certo ciúme do Kaio por eu estar sempre com ele, ela começou a falar com ele, e logo também viraram muito amigos. Um dia, eu fui na casa de Isabella pra fazer um trabalho com ela, e lá eu descobri ela tinha uma gêmea. Sim, uma gêmea, e o nome dela era Isadora, e ela não estudava na minha escola. O problema foi que quando eu estava lá na casa delas, Isabella saiu pra cozinha sem explicação nenhuma e me deixou no quarto com a Isadora, que começou a puxar assunto comigo sendo muito gentil e tão legal quanto a Isabella.
Conversamos muito, conversei mais com Isadora do que com a Isabella, que era a que eu estava com mais vontade de conversar. Isadora me tratou muito bem, e pegou meu celular salvando o número dela nele. Enfim, fui embora da casa delas e comentei com o Kaio sobre a Isabella ser gêmea e ele já sabia, o que me deixou muito desconfortável, não sei dizer o pq. Ele perguntou se ela era bonita quanto a Isabella, e eu disse que sim, as duas tinham uma beleza invejável o que não é mentira e Kaio sabia que eu tinha uma queda pela Isabella e sabia que eu era lésbica. Ele falou que iria fazer amizade com Isadora e eu não liguei tanto. Duas semanas se passaram e eu comecei a conversar muito com a Isadora, tipo mesmo, quase 24hrs por dia, com uma mensagem de manhã às 6 hrs até uma ligação de duração de 2 ou 3 hrs até 3 ou 4 da manhã. Nossa ligação era muito forte, mais tão forte que dizíamos o fatídico "eu te amo", que eu nunca levei pra um lado a mais, pq eu estava ainda muito caída pela Isabella, e Isadora sabia que eu estava gostando da irmã dela. Isadora sempre foi uma âncora pra tudo que eu passava em casa, e eu realmente prezava ela mais do que a mim. Mas tudo mudou quando Kaio veio conversar comigo sobre estar muito muito apaixonado por Isadora. Eu não sabia que eles conversavam do jeito que Isadora e eu conversávamos. Ela ou ele nunca me disseram nada. Quando ele me falou o que sentia por ela eu fiquei muito feliz, mas com um incômodo que eu não sabia explicar o que era. Kaio sempre foi um menino um pouco difícil por assim dizer, pouca gente gostava dele, pq ele era um babaca completo e eu sempre passei pano pra ele, então eu que sempre estava com ele, nós três na vdd, eu, ele e Isabella. Kaio e eu fomos na casa das gêmeas e foi lá que a merda começou. Kaio e Isadora se beijaram na minha frente. Isabella preferiu ficar no quarto dela, eu tentei ir com ela pra não ficar de vela, mas achei melhor não invadir o espaço dela. Então fiquei de vela pro Kaio e Isadora, não se beijavam mas sempre estavam se tocando. E nesse momento eu descobri que eu sentia atração por Isadora do mesmo jeito que Kaio sentia. Foi então que o inferno começou.
Kaio se declarou pra Isadora, que também disse que gostava dele, o que deve ter ativado alguma coisa na cabeça dele que ele começou a agir mais babaca do que ele já era, tratando as pessoas mal, se achando, se mostrando. Eu me sentia muito mal com a situação da Isadora, pq a Isabella mal falava comigo pq faltava muito as aulas, e a Isadora "retribuia" o que sentia por ele, e comecei a tratar ele mal na mesma moeda, porém sendo muito mais agressiva nas palavras. Um dia, eu notei que ela continuava a dizer que me amava e não dizia isso pra ele, pq sim eu ainda falava com ele mesmo odiando tudo que ele fazia. Mas um dia Isadora parou de falar comigo, sem motivos aparentes, e eu não aguentei mais e falei muita coisa com Kaio, culpando ele de muitas coisas inclusive de ter tirado Isadora de mim, foi feia a briga, tanto que a gente quase caiu no soco. Tiveram que me segurar pra que eu não fazer besteira e acabar sendo expulsa da escola. Eu parei de falar com Kaio a partir daquele dia. Isabella viu a "briga", que aliás, a escola toda viu. Ela contou pra Isadora o que aconteceu, que me ligou perguntando o que tinha acontecido o pq eu tinha brigado com ele, e eu só chorei feito um bebê e contei pra ela o que eu sentia por ela. Ela simplesmente não falou nada e desligou a chamada. Depois daquele dia, ela não me mandou mensagem ou me ligou mais. Isabella continuou a falar comigo e com Kaio, nunca ao mesmo tempo.
Umas semanas se passaram e eu conheci uma menina, seu nome era Melissa, que era de outra turma de 1° ano. Começamos a conversar bastante, quando Isabella faltava, eu passava meu almoço com Melissa, que sempre me beijava no rosto ou me abraçava, então as pessoas começaram a pensar que eu e Melissa tínhamos alguma coisa, mas não tínhamos, éramos só muito amigas (que sim, dávamos selinhos pra nos cumprimentar ou despedir, um carinho, não levei nada disse a sério também). Eu não ia muito na casa das gêmeas por ser muito longe e perigoso, mas a casa de Melissa era ainda perigoso mas um pouco mais perto da minha casa, então eu sempre que podia ia na casa de Melissa. Fazíamos vídeos, fotos, a gente conversava, e coisas que amigas fazem. Melissa era apaixonada pelo meu primo (muito babaca por sinal) e eu ainda sentia a falta tremenda de Isadora. Descobri logo depois que Melissa era nada mais e nada menos que a fucking EX do Kaio. Como eu disse, fazíamos vídeos e Melissa sempre fazia questão de gravar eu e ela dando selinho, o que eu nunca vi nenhum problema. Todo mundo sempre via a gente como casal, pq ne, mão dadas, beijos, abraços, carinhos, enfim. Um dia Isabella conheceu Melissa, e o que eu já imaginava, eu tive certeza: Isabella não gostou de Melissa. Não sei o pq até hoje, dizendo Isabella que foi ciúmes, o que eu não sei se acredito, talvez seja uma possibilidade. Melissa gostava de Isabella, na vdd, não tinha nada contra, mas ela realmente não gostava de Isadora, e Isabella chegou a me dizer que Isadora também não gostava nenhum pouco de Melissa. Mas eu não liguei muito pra isso. Eu comecei a ver Melissa de outro modo, o jeito que ela me tratava, cuidava de mim e logo vi que eu tava em um dilema enorne: Eu estava/estou apaixonada por três meninas ao mesmo tempo. (Fogo no rabo? Com certeza)
Os fatos importantes já foram ditos, o desfecho dessa história toda foi:
• Isabella saiu da minha escola e foi estudar na escola que Isadora estudava.
• Kaio e Isadora não chegaram nem a namorar, foram ficantes por somente umas duas semanas e só. Hoje não se falam mais por nada nesse mundo.
• Eu briguei de soco com meu primo que Melissa gostava, pq ele fez mal a ela, e ela meio que parou de gostar dele.
• Pra esquecer o meu primo, Melissa começou a ficar com um menino que eu não gostava e ainda não gosto. Antes que eu falasse a ela o que eu sentia, eles começaram a namorar e Melissa se afastou de mim. Eles namoraram e terminaram perto de fazer um ano, ele foi tóxico e traiu Melissa.
• Kaio mudou bastante, se redimiu com todos, mesmo sendo chato as vezes, ele amadureceu. 6 meses depois da briga toda, eu resolvi conversar com ele, deixar tudo pra trás, até pq a gente era muito infantil por brigar por uma menina. Hoje estamos bem.
• Isadora nunca mais falou comigo no Whatsapp pra nada, enquanto eu ainda conversava relativamente muito com Isabella. Melissa também mal trocou uma mensagem comigo.
• Fui na casa das gêmeas no começo do ano, Isabella preferiu ficar com seus outros amigos, enquanto eu conversei com Isadora sobre tudo que tinha acontecido. Quando eu voltei pra casa, Isadora preferiu continuar não falando mais comigo pelo Whatsapp. Só quando ela quer.
• No final das contas, acabei sem nenhuma das três. Isabella e Isadora não falam muito comigo e eu e Melissa conversamos muito, mas ela ainda me vê só como amiga. Mesmo que as vezes eu demonstre que eu quero algo a mais. Então eu meio que parei com as investidas.
Eu me sinto mal pq penso que poderia ter sido diferente, eu poderia ter pelo menos a amizade das três, se não fosse essa minha confusão toda e carência.
submitted by ridicula_27 to desabafos [link] [comments]


2020.07.03 22:42 fazumquibi QUANDO FUI ASSEDIADA PELO NAMORADO DA MINHA AMIGA NO ÔNIBUS A CAMINHO DA FACULDADE

Olá Luba, espero que esteja tudo bem contigo, olá editores espero que estejam bem, olá gatas, resto de papelões, microfone, porta e computador, começo perdido perdão pelos erros de português. Em 2019 eu com meus 17 anos estava iniciando minha jornada na faculdade, escolhi fisioterapia, eu queria que minha amiga fosse no ônibus comigo e me levasse até minha sala, sim sou insegura a esse nível, acabou que o namorado dela pegaria o mesmo ônibus que o meu, semanas se passaram e ele ia sentado ao meu lado, sem conversar, cada um ouvindo música em seu fone, até que um dia ele me perguntou se eu via animes e eu falei sobre attack on titan e outros animes que já vi, ele começou a conversar comigo sobre animes, jogos de computador, sobre os vídeos do Luba e outros youtubers, eu via os vídeos do Luba no ônibus, um dia ele me pediu se poderia ver comigo, eu me odeie por não dizer não, mas eu não consigo dizer não para as pessoas, ele passou a me comprar doces (ele trabalha em uma loja de doces), eu tentava negar mas ele dizia que eu iria sentir fome durante as aulas e colocava o doce na minha mão, o mesmo contava tudo da vida dele e da namorada, que iriam se casar e essas coisas, uns meses depois, estávamos ele e eu indo para a faculdade como sempre, mas eu estava ouvindo música e ele sem fazer nada, mas ele simplesmente passou a perna por cima da minha, eu me senti horrível com isso, mas ele ainda teve a audácia de passar a mão na minha coxa, eu quis chorar nessa hora, ele chegou perto do meu ouvido e disse " esse é nosso segredinho tá?", bom depois disso fui para a sala e digitei no celular o que aconteceu para a minha amiga, quando ela chegou mostrei pra ela e comecei a chorar, logo depois liguei para minha mãe e meu pai foi na faculdade me buscar depois da aula, o assediador me ligou perguntando se eu não ia no ônibus e eu só desliguei na cara dele, em casa eu chorei demais, não consegui dormir, fiquei acordada a madrugada inteira, peguei meu celular e fui no chat com a Bars ( a namorada do babaca lá), disse tudo o que tinha para falar, ela me perguntou várias coisas e depois não me respondeu mais, um tempo depois me mandou uma mensagem de que não queria me encontrar na faculdade pois quando ela estava brava ela vira outra pessoa, minha mãe entendeu essa mensagem como uma ameaça e perguntou se eu não queria ficar em casa, mas eu fui pois tinha matéria importante, nesse dia na facul eu esperei minha amiga no portão e graças a Deus não encontrei com a maluca possuída, eu esqueci desse assunto e tentei não me culpar, eu nunca quis que isso acontecesse, somente tinha feito um amigo no ônibus, mas ele queria algo a mais aquele nojento, nesse ano em fevereiro eu comecei a fazer aula de Zumba e a Bars também, ela começou a falar comigo e eu tentei esquecer que ela me ameaçou, mas ela não parecia ter engolido aquele assunto já que queria que eu fosse até sua casa conversar com seus pais porque segundo ela, os seus pais não gostam de mim pelo que "eu" fiz, eu só disse que não tinha nada para falar sobre aquilo e ela parou de falar comigo, a mais ou menos dois meses atrás uma amiga dela que é minha amiga também me disse que eles terminaram o namoro, segundo uma prima do namorado assediador, ele era muito safado para o lado das meninas e tinha fama de pegador, não se como pq ele era bem feio, para ser galã e pegador no mínimo precisa ser o Luba, enfim essa foi minha história, não me sinto mais mal por isso, mas gostaria da sua opinião sobre Lubisco, te amo, amo os editores, que Deus abençoe as suas gatas e todos vocês <3
submitted by fazumquibi to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.29 20:20 throwaway2159861 Fracassei em todos os aspectos da minha vida

Boa tarde, estou precisando desabafar e resolvi contar aqui grande parte da minha história e talvez fazer uma auto-análise. Imagino pelo que vi e vivenciei que é possível que muitas pessoas se identifiquem com os assuntos que eu vou falar, então pode até ser uma leitura interessante.
Antes de começar, recomendo essa música pra quem por ventura vier a ler o texto abaixo. Ela não tem nada de especial, mas eu gosto bastante dela.
https://www.youtube.com/watch?v=7NLvmr7zpso
Pois bem, atualmente tenho 28 anos, quase fazendo 29 e estou terminando a minha segunda faculdade. Provavelmente algumas coisas em relação a datas serão confusas pois além da minha memória ser bastante ruim, ela se restringe aos últimos 5 anos da minha vida. Então, as últimas memórias que eu tenho são da copa de 2014 no Brasil onde consegui assistir a alguns jogos. Eu não sei se isso é neurológico, mas estou pra ver isso tem alguns anos já. Antes que perguntem, eu tenho memórias de situações anteriores, mas em vez de lembrar do fato em si eu me lembro de alguma outra pessoa me contando, então é uma espécie de memória de segunda mão.
Enfim, quando eu tinha cerca de 10 anos eu tive depressão crônica e comecei a tomar medicamentos para tratar isso. Por volta dos 13~14 além do tratamento da depressão, eu comecei a ter ataques de pânico intensos, de modo que eu tive que abandonar o colégio por cerca de 6 meses pois eu não conseguia sair de casa. Também desenvolvi um distúrbio de personalidade esquizóide. Felizmente acabei não perdendo o ano pois a direção entendeu a minha situação e eu tinha boas notas, esporadicamente eu arrumava a matéria do colégio e lia em casa pra tentar aprender alguma coisa. Curiosamente um amigo meu me contou anos depois que a minha mãe por volta dessa época pediu pra ele e alguns outros amigos tentarem me convencer de ir numa excursão do colégio que seria durante um feriado prolongado.
Avançando um pouco, por volta dos 17 anos e perto de prestar o vestibular, eu não tinha a menor idéia de qual curso eu deveria escolher. Cheguei a perguntar para o meu pai se ele poderia me dar mais um ano pra escolher a carreira enquanto eu fazia um cursinho mas ele só riu e achou que eu estivesse de sacanagem. Por fim, acabou falando pra eu fazer Direito pois ele sempre achou que todo mundo deveria saber o básico das leis, além do fato de ter trocentos concursos públicos disponíveis pros graduados. Nesta época, eu já estava de saco cheio de estar indo no psicólogo e no psiquiatra com regularidade, além de ter que tomar os medicamentos todo dia. Pra ser sincero, comecei a tomar os medicamentos em dias alternados em vez de diariamente e cada vez mais fui espaçando, até o ponto de achar que eu não precisava tomar mais. Não notei mudança nenhuma no meu comportamento, apenas uma grave insônia. Depois de um tempo então revelei que eu não estava mais tomando os medicamentos para os médicos e para os meus pais e como aparentemente não fazia diferença nenhuma porque ninguém percebeu, eu só parei de frequentar o psicólogo e psiquiatra de um dia pro outro.
Como eu não sabia pra qual curso prestar vestibular, acabei acatando a idéia do meu pai, só que eu não tinha motivação nenhuma pra estudar. Aliás, eu nunca tive e sempre fiz parte da grande maioria dos alunos que estudam apenas na véspera. Para a minha grande surpresa, acabei passando no vestibular e só fiquei sabendo aos 45 do segundo tempo, no penúltimo dia da pré-matrícula quando um amigo meu veio me dar parabéns. Foi uma conversa engraçada, ele me deu parabéns mas eu não sabia pelo quê, já que eu não tinha acompanhado o resultado do vestibular pelo fato deu não ter estudado durante o ano. Foi uma grande sorte, que aliás é um tema recorrente na minha vida. Dei sorte do meu colégio dar o conteúdo inteiro durante o 1º e 2º anos do ensino médio, deixando o 3º ano apenas pra revisão da matéria toda, então querendo ou não, eu assistindo as aulas acabei fazendo uma revisão sem querer. Dei muito mais sorte do meu amigo ter me avisado, já que sem ele eu perderia a matrícula e só deus sabe o que aconteceria. Talvez eu conseguisse o meu sonhado ano pra descobrir o que eu queria fazer da vida, mas me conhecendo, acho que eu apenas procrastinaria por mais um ano.
Já no começo da faculdade eu percebi que as carreiras legais não eram pra mim. Na verdade, analisando friamente, tenho certeza de que eu seria um bom juiz, devido à minha personalidade e jeito de ser. Infelizmente nasci sem a motivação necessária para traçar objetivos de longo prazo e perseguí-los. É bem verdade que eu considero que não se nasce com isso e que é tudo uma questão de disciplina, mas não me vejo mudando isso na minha personalidade no curto, médio ou longo prazo. Talvez seja um mecanismo de defesa pra me prevenir do fracasso, afinal de contas, ninguém pode dizer realmente que fracassou se nem tentou.
Enfim, apesar de achar a área da advocacia algo bastante chato, passei a me interessar moderadamente pela área acadêmica, mais especificamente pelo jusnaturalismo. Na época da faculdade comecei a ler um pouco sobre religião comparada e sempre achei que o direito sem uma base metafísica não passa de um jogo de poder onde quem possui mais faz a lei e quem não possui apenas obedece. Até hoje tenho vontade de realizar uma pesquisa acadêmica sobre isso, mas as chances beiram a zero pois a vida acontece.
Também durante a faculdade eu comecei a ter recaídas da depressão, mas como eu já conhecia os sintomas, eu sempre tomava medidas contra a minha própria vontade para tratar o problema no início. Eu tinha que manter um horário de sono regular, fazer algum tipo de exercício físico diariamente e ter uma alimentação mais saudável. Isso realmente funciona, então se alguém estiver passando por isso, recomendo fazer isso antes de partir para algo mais radical. O problema é que isso é chato demais e eu não conseguia manter essa disciplina por muito tempo, então eu ficava alternando períodos bons e ruins. Na verdade, isso acontece até hoje, mas aos poucos fui aprendendo a lidar com isso.
Vou abrir um parêntese aqui pois pelos anos de experiência, percebo que muitas pessoas passam pelo mesmo problema que eu, sobretudo aqui que é um lugar para desabafos anônimos. Também não é um assunto fácil de conversar com as pessoas, a não ser que você tenha ótimos amigos ou uma família bem estruturada que se importa realmente com você. A minha família sempre me deu essa abertura, mas por conta da minha personalidade eu nunca fui capaz de falar nada disso com eles. Aliás, não sei nem se adiantaria alguma coisa falar com eles. Acredito que o melhor meio mesmo seja apenas ler relatos na internet de pessoas que passam por uma situação semelhante pra saber que isso não acontece só com você. Acho que isso foi o grande motivador pra eu escrever este texto.
Gostaria de falar sobre sentimentos. É bastante paradoxal, visto que eu sou literalmente analfabeto em matéria de sentimentos e não sinto quase nada devido à minha TPE. Ainda sim, acredito que ajuda bastante saber que alguém tem a mesma sensação que você, pois é algo difícil de colocar em palavras. A pior delas é justamente esse algo que não tem nome. É como se fosse alguma coisa queimando, mas não queimando num sentido físico. Está mais para uma dor na alma, ainda que paradoxalmente a dor pareça física. Desde pequeno eu sinto isso e não consigo imaginar a minha vida sem sentir isso. A melhor forma que eu encontrei de descrever essa sensação até hoje foi como se existisse um buraco negro em algum lugar aqui dentro e que ele estivesse sugando tudo, até mesmo a tristeza, só que como ela está em maior quantidade, é o que acaba sobrando pra gente, ainda que essa tristeza não seja tão intensa quanto já foi em outros momentos.
Voltando, já no meio da faculdade eu sabia que teria problemas caso eu decidisse mudar de carreira pois seria bem mais difícil a minha entrada no mercado de trabalho sem experiência e com uma idade avançada, sem contar psicologicamente, já que os meus amigos estariam numa posição mais avançada da carreira profissional e consequentemente ganhando muito mais dinheiro que eu, o que é difícil pra qualquer pessoa, ainda que você não se importe muito com isso. Eu decidi não abandonar o curso no meio pois era um curso de renome numa excelente faculdade, então ainda tive que aturar mais 2,5 anos estudando algo que eu não gostava só pra pegar o diploma no final tendo certeza que eu não iria usá-lo.
Pois bem, prestei o enem no último ano da faculdade e consegui emendar um curso no outro. Não pra minha surpresa, descobri que o segundo curso que eu escolhi também era horrível e confesso que até cogitei em voltar pra advocacia. O problema é que eu não tive nenhuma experiência profissional em escritórios de advocacia e já esqueci o conteúdo da faculdade anterior, o que basicamente me impossibilita de voltar pra carreira anterior.
Ao menos arrumei um estágio e estou ganhando um salário mínimo por mês até eu me formar, que eu espero que seja daqui a dois meses. A parte ruim é que provavelmente não vão me contratar e eu vou ficar desempregado, a parte boa é que eu odeio o meu trabalho e provavelmente não vou aguentar nem mais 1 ano trabalhando lá.
Dito isto, vamos aos problemas e ao real motivo do desabafo. De uns tempos pra cá o negócio do meu pai está indo muito mal, de modo que tivemos que pegar alguns empréstimos com o banco e o coronavírus acabou forçando o negócio a ficar parado desde março. Então, já estamos numa situação periclitante.
Não bastasse isso, recentemente meu pai teve que operar para tirar um tumor e ao que tudo indica, provavelmente ele está com câncer. Além disso o meu pai está no limite de fazer parte do grupo de risco do covid e trabalha com atendimento ao público. Não sei como faremos pra tomar conta do negócio, já que ele provavelmente vai ter que parar de trabalhar pra fazer o tratamento.
A minha mãe por sua vez é aposentada por invalidez. A minha irmã tentou abrir um negócio também mas foi paralisado pelo coronavírus, sendo que ele já não ia bem. Desde o ano passado ela veio com uma proposta deu tomar conta da parte administrativa da coisa e tirar um dinheiro para mim do que entrar, mas a verdade é que ainda não consegui tirar sequer 1 real da coisa pois essa é a única fonte de sustento da minha irmã, então tudo o que eu consegui foi trabalhar de graça e um monte de dor de cabeça.
Eu por minha vez estou trabalhando entre 10 e 14h por dia ganhando um salário mínimo, fora o estresse e ainda tenho cerca de 5 semanas pra escrever o TCC que eu nem comecei pra me formar na faculdade daqui a 2 meses.
A única notícia boa que eu tive recentemente foi um conhecido meu ter me contado que só não se matou porque há uns anos atrás eu liguei e conversei com ele bem no dia em que ele tinha pretendido se suicidar.
Dada a minha situação é difícil não pensar em se matar constantemente. Não que isso seja algo novo, tenho esses pensamentos recorrentes desde os 13 ou 14 anos de idade, mas entre pensar e fazer existe um abismo infinito de modo que eu nunca cogitei seriamente fazer isso. Ainda sim, deixo sempre a opção aberta muito embora eu tenha me decidido a fazer isso só depois dos meus pais e da minha irmã morrerem.
Sendo bem sincero, motivos mesmo pra continuar vivendo eu não tenho nenhum. A única coisa que ameniza um pouco é eu tentar deixar a vida um pouco menos merda para os meus familiares, só que o fato é que eu tenho 28 anos na cara e não consigo nem me sustentar sozinho. Se o meu pai morrer, seja de câncer ou de coronavírus, imediatamente teremos que vender o apartamento e ir morar de aluguel ou com algum parente.
Eu acho que isso tudo é culpa minha, mas no fundo eu sei que não é, já que ninguém é capaz de prever o futuro. Também sei que a minha situação não é tão ruim quanto a de outros, já que eu ainda tenho um teto e comida, mas também sei que a coisa pode ficar feia muito rápido.
Acho que o maior agravante é que eu não tenho sequer 1 área da vida onde eu tenho um desempenho satisfatório. Fracassei economicamente, já que não consigo me sustentar; Fracassei amorosamente, visto que não tenho perspectiva nenhuma de constituir família; Fracassei socialmente pois o meu já pequeno círculo de amizades está se tornando cada vez menor muito pela perda de contato, já que eu não tenho mais como acompanhar os meus amigos com tanta frequência devido à falta de tempo e dinheiro; e a pior de todas, é a sensação de que fracassei como filho. Sim, é verdade, e eu tenho certeza que ninguém nunca vai falar isso, mas não existe nada mais natural que os filhos tomarem conta dos pais na velhice. Infelizmente pra mim, esse tempo chegou e eu não fui capaz de resolver esse problema à altura.
Quem não gostaria de bancar os pais para eles pararem de trabalhar, depois de uma vida inteira de trabalho? No meu círculo social já há pessoas que conseguiriam fazer isso, ao menos durante esse período de quarentena. É inevitável a comparação, mesmo sabendo que cada um é cada um. Eu sempre soube que seria difícil não ficar chateado com esse tipo de coisa quando eu escolhi mudar de carreira, mas está beirando o impossível. Não apenas no aspecto econômico, mas também no aspecto afetivo. Desde sempre a minha família soube que eu era praticamente um autista no quesito de relações sociais, ainda que eu esteja infinitamente melhor do que quando eu era mais novo. O que pega mais, é que no meu íntimo eu sequer considero a minha família como família propriamente dita. Eu entendo que eu tenho um dever moral para com eles, mas não vejo diferença entre eles e os outros seres humanos. É por isso que eu nunca falei eu te amo para eles e nem para ninguém. Não tenho certeza se eu vou chegar a falar isso pra alguém na minha vida, mas tudo indica que não.
Enfim, eu tinha mais coisas pra falar, mas infelizmente tenho que voltar a trabalhar. Desabafar aqui não foi ruim, eu deveria fazer isso mas vezes. Dito isto, eu estou juntando um dinheiro pra me consultar com um psicólogo online depois de quase 10 anos. Eu gostaria de ter dinheiro pra fazer pelo menos 2 meses, mas é difícil achar um psicólogo bom na faixa de preço que eu posso pagar.
Se possível, eu também gostaria de um feedback sobre o texto em si. Eu tenho uma conta anônima no medium e escrever lá, ainda que infrequentemente por falta de tema ou tempo, acabou se tornando uma das poucas diversões que eu tenho, muito embora eu ache que seja difícil alguém chegar a ler até o final, dado o tamanho imenso do texto.
É isso, excelente dia pra vocês.
submitted by throwaway2159861 to desabafos [link] [comments]


2020.06.26 16:11 miicmic “Como destruí e fui destruída pelo grupinho do whatsapp”

Olá Luva, gatas, Fodrigo Raro, editores, possível convidado (Que seja o Jean, ps.: nunca te pedi nada...) e claro, olá Turuma!
Essa história contêm Vish kk, nice guy, nice girl (eu provavelmente), e TROUXA. Quero que julgue WHO IS THE ASSHOLE... <3 (provável que eu seja a babaca em muitos pontos aqui vish kk)
Os.: Essa história ainda mexe um pouco comigo e deixá-la mal resolvida provavelmente foi um erro de minha parte, mas não sinto que posso fazer mais nada agora, então pq não me EXPOR na infernet, não é meixmo???!
Caso seja de sua vontade, meu sotaque é do sul da Bahia (apesar de morar em SP há anos), uma mistura real de Minas Gerais com “oi tia caRminha”.
“Como destruí e fui destruída pelo grupinho do whatsapp”
Tudo começou em 2016 quando mudei de emprego. Comecei a trabalhar numa empresa menor, na época eu com meus recém completados 20 anos. Na empresa nova conheci uma galerinha legal, que faziam viagens juntos, bebiam pra caralho (até então eu não bebia), festinhas, bares, etc.
Eles tinham um grupinho, vou chamar o grupo de “Capirotos” e era composto pela Larls (mulher, 25), pelo Jarls (homem, 27), o Vlars (homem, 30 ) e o Garls (homem, 29), Carls (homem, 32), Sarls (mulher, 29) eu (mulher 23),.
Com o tempo entrei pro grupinho de capirotos, e comecei a frequentar as viagens com eles. Tudo muito que bom, tudo muito que bem, comecei a sacar os envolvimentos “amorosos” grupinho. Aparentemente a Larls que era uma moça um tanto “aberta” já havia pegado 2/3 deles. Mas até aí de boas, no judgements, afinal cada um faz o que quer da sua vida, não é meixmo? Mas é aonde a coisa fica esquisita, pq começo a sacar que tinha muito muuuuuuuuuuuuito mais por trás daquele grupinho do que amizade e pior, começo a me enrolar com os rolos deles...
Me tornei muito muito amiga da Larls.
Antes de entrar pro grupinho eu já tinha um interesse meio “secreto” pelo Garls. E eu sabia que era correspondida. Porém... Vlars foi mais rápido, ao se mostrar interessado e comecei a ter um “relacionamento” com ele...
Vlars começou seu jogo de interesse, se mostrou um cara diferente de todos os outros que eu havia conhecido, (leia-se começou a me iludir), me buscava todos os dias na faculdade, se mostrava preocupado... nos dávamos muito bem no fucfuc inclusive (apesar de que isso nunca foi o item de maior peso pra mim kkkk). Quando eu falava sobre esse meu pensamento, ele dizia que eu merecia alguém que me tratasse como rainha e inclusive me fizesse feliz no fucfuc. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Vlars me ensinou a tango... me ensinou a gostar de vinhos e queijos... conversávamos sobre tudo... Ensinei ele a cuidar melhor do dinheiro, afinal ele já tinha 30 e poucos anos... e eu no auge dos meus 20 e poucos estava aprendendo sobre finanças pessoais e passando para ele algumas dicas.
Os anos passaram, Vlars nunca me assumiu oficialmente, mesmo eu tendo deixado MUITO claro o quanto isso me magoava profundamente, em especial por conta da minha família. Vlars começou a estudar finanças além das dicas que eu havia dado, e passou a ser investidor de renda variável, e eu segui meus planos na renda fixa.
O fato de Vlars nunca me assumir, me fazia sempre ficar com um pezinho atrás naquela "relação", eu não conseguia evoluir, fazer planos pro futuro com ele, durante aqueles árduos 3 anos, eu sempre planejava as coisas de modo a incluí-lo ou não... o que me dava nos nervos e dava um puta trabalho do caramba.
Em meio a essa relação que eu não sabia bem o que era, vez por outra eu dava umas escapadas de Vlars, em geral, escapadas sigilosas com Garls. Talvez aqui eu era a babaca da história, pq além de, de certa forma iludir o Garls, eu poderia ter colocado alguns belos pares de chifres em Vlars. Mas não me sentia errada, uma vez que eu “não tinha” um relacionamento com Vlars. Além disso Garls era ciente da minha “história” com Vlars, nunca menti pra Garls sobre. Ps.: Me julguem. Eu sou a babaca da história?
O tempo passa e Vlars começa a ficar mais e mais estranho, nosso fucfuc top já nem rolava mais. Ele me cobrava coisas financeiras das quais eu não via sentido, já que não conseguia entender se ele queria ou não um relacionamento comigo. Nesse meio tempo, tbm tive alguns problemas de ordem financeira, devido a alguns imprevistos. Algumas vezes Vlars chegou a me emprestar dinheiros, mas sempre paguei tudo conforme o prometido, nunca fiquei com a dívida além do tempo que eu disse que precisava pra pagar.
Vlars passou a ganhar dinheiro com os investimentos, e começou a menosprezar os meus feitos financeiros. Ps.: eu era uma garota de 20 anos que tinha o mesmo salário que ele aos 30 ainda que ele fosse engenheiro e eu nem formada era.
As tretas de ordem financeira sempre foram sutis, mas elas existiam, e me machucaram muito... o fato de ele não me assumir, piorava muito a situação.
Sofri um pequeno acidente que me fez fazer fisioterapia pro tornozelo, e posteriormente me levou a uma cirurgia. Quando iniciei a fisio, Vlars começou a fazer aulas de muay thai (perto da minha casa, em cima da livraria da minha familia), e ele sabia que eu queria fazer tbm, mas na época meu problema do tornozelo não permitia. Quando eu conversava com ele sobre o Muay Thai ele meio que desconversava...
Vlars foi ficando mais e mais esquisito comigo, eu era muito apaixonada e não via o que estava rolando, eu só queria “salvar” aquele “não relacionamento” de qualquer maneira.
Minha última tentativa com Vlars foi bastante incisiva, e eu sabia que se aquilo não desse certo, seria o fim total. Aceitei que isso poderia acontecer. Conversei com meus pais, e trouxe Vlars em casa. Tentei meio que no fórceps fazer ele assumir ali um relacionamento comigo. Vlars ficou desconfortável com a situação, bem obvio eu diria, já que aqui eu sabia que estava sendo babaca elevado a 10ª potencia.
Porém aquilo fez sentido na minha cabeça, pois ele sabia o quanto a falta daquilo me magoava profundamente. Ele tbm sabia que a nossa relação ia de mal a pior, e no meu entender, depois de tudo que passei por ele, aquilo era o mínimo que ele podia fazer por mim, e se não fizesse, eu entenderia que era porque de fato ele nunca quis me assumir realmente.
Ele não fez. Ficamos mais duas semanas juntos. Posteriormente ele assumiu que só se manteve comigo meio que por pena, já que eu tava passando por momentos tensos na minha família (familiar próximo estava sob suspeita de câncer). Obs.: eu estive o tempo todo ajudando e apoiando ele, quando ele passou pelo mesmo.
Ele terminou comigo usando as desculpas mais esfarrapadas que já ouvi. Sofri muito. Chorei por dois dias. Tentei conversar com ele de novo. Deixei claro que aquela era a última tentativa que eu faria. Afinal eu não faço o tipo ex que fica ligando, mantendo contato e etc.
Larls tentou me alertar algumas vezes que Vlars não queria nada comigo, pq na verdade ele gostava dela. Além disso, Larls me contou várias mentiras que Vlars me contou, para tentar coisas com Larls quando eu não estava pertoe em certas ocasiões me manter longe. Muitas vezes confrontei Vlars dessas informações (claro que com todo o consentimento de Larls – sim eu confiava mais nela do que nele).
Entendi depois que rolava um certo ressentimento de Vlars, porque dos 4, Larls não pegou apenas ele. E isso, fez o trouxa ficar de 4 por ela. E maior ainda, Vlars tentou me usar (durante fucking 3 anos) pra fazer ciúmes em Larls. Mas tudo que ele conseguia era o contrário. Porém, aqui esta a prova que união feminina funciona... eu jamais tive raiva de Larls, ou desconfiei dela... eu na real fiquei muito magoada por ele ter me enrolado tanto, por tanto tempo.
Além disso tudo, por acreditar que Vlars era apenas um “excêntrico” acabei colocando Galrs nessa bagunça. Sempre gostei muito de Galrs, como amigo mesmo. Ainda que eventualmente fosse uma amizade colorida... Galrs alimentou sentimentos por mim, e fiz ele sofrer bastante nesse período. Eu tbm sofria, pq tive que deixar de trocar ideia com Galrs várias vezes, e eu amava muito a nossa amizade.
Galrs e Vlars não se davam muito bem em algumas questões, ainda que fizessem parte do mesmo grupinho. O fim oficial da amizade foi decretado.
O fim real da história:
Galrs e eu começamos a nos encontrar sem cerimonia depois que Vlars me deixou mal por duas semanas inteiras. Galrs fez tudo por mim, me apresentou aos seus familiares e amigos, veio conversar com meus pais, me ajudou com a fisioterapia (que ainda faço), me acompanhou na cirurgia e deu a maior força pra minha mãe, me deu uma aliança, posta fotos comigo e grita aos 4 ventos o quanto me ama... foi meu alicerce quando perdi minha sobrinha, e ficou o tempo todo do meu lado, além de ter dado o maior apoio pra minha irmã.
Confesso que tive que “aprender” a ver Galrs dessa maneira, mas quando finalmente vi, amei cada segundo. Estamos juntos a 8 meses. Fazemos planos de viajar e morar juntos. Galrs é um cara incrível, e posso agora dizer que o amo muito.
Descobri que Vlars começou a namorar uma garota que fazia aula de muay thai com ele. Ainda sigo na dúvida se fui corneada ou não. Pois na época da aula de muay thai foi já o fim da história, e ele já havia conhecido meus pais, o que teoricamente nos colocou em um relacionamento sério... enfim...
Grupinho se diluiu por conta do romance que envolviam 4 das 6 pessoas do grupinho. Jarls e Sarls sempre se mantiveram imparciais, segue sendo amigos de todos. No entanto Sarls sempre foi mais minha amiga mesmo do que dos outros kkkk <3. Eu, Larls , Garls, Jarls e Sarls no encontramos e conversamos eventualmente (sem furar a quarentena). Sei que Jarls mantém contato com Vlars, os dois são amigos a mil anos.
Obs.: tive que mudar algumas coisas, não quero que reconheçam caso vejam (apesar de ser pouco provavel) kkkkkkkkkkk
Bom, é isso Lubixco... vendo agora talvez não dê pra monetizar já que vai ter que fazer um vídeo inteiro só para as minhas mais de 1700 palavras.
Besos <3
submitted by miicmic to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.21 20:57 DisabledZone Sou o babaca por não contar a um amigo meu uma possivel traição da sua namorada atual?? mesmo ele tendo tentado me humilhar por estár a namorar um rapaz?

Olá gente linda neste subreddit, Luba (se isto chegar até ele :'D), papelões, possivel convidado que nunca aparece e gatas do Luba. Aqui vai um acontecimento FRESQUINHO, direto de portugal.
(antes de contar o que aconteceu, primeiro tenho de dar um pouco de backstory)
[backstory] Há uns anos atrás, havia uma menina que andava na mesma escola que eu (vamos chama-la de Farls), a Falrs tinha comportamentos de certa forma...duvidosos, pois ela fazia TUDO, repito T.U.D.O pra ter o que ela quer, especialmente rapazes pra ela namorar. Acontece que eu fui uma das "vitimas" da Farls, mas como ja namorava nessa altura, eu obviamente rejeitava-a, mas ela não aceitava o "NÃO" como resposta, chegando ao ponto de AGREDIR a minha namorada nessa altura, tendo levado uma surra dela, e inventou que eu, a minha namorada dessa epoca e mais uns amigos, supostamente demos porrada nela, fazendo assim com que fossemos chamados pelo Diretor da escola pra resolver tudo, mas no final a Farls acabou por ficar mal vista pelas mentiras e nunca mais a vi, porque supostamente mudou de cidade (é confuso, eu sei).
[Voltando ao presente] Um amigo meu (vamos chama-lo de Homofóbico) recentemente começou a namorar, mas tanto eu como o nosso grupinho de amigos não gostou muito da noticia, porque SEMPRE que o Homofóbico começa a namorar, ele deixa TOTALMENTE de sair connosco, fala mal connosco, chegando até a ofender se nós apenas chegarmos perto dele e disser-mos "Bom dia" (não estou a exagerar!), e em um certo dia, depois de beber uns copos num bar com o meu grupinho de amigos (beijo pra eles, pois sempre estiveram la pra mim), ADIVINHEM QUEM ESTAVA LÁ?? A FARLS! Ela do nada voltou pra cidade onde eu moro, após 6 ANOS desde o que aconteceu no [Backstory], e tal como esperado, ela viu-me e tentou puxar assunto comigo, perguntando se sou gay (estava a namorar um boy quando isso aconteceu, sim, estava, já não tou mais), eu respondi que era Bi e pra ela me deixar em paz, pois ainda não esqueci do que ela me fez anos atrás, tendo ela feito o que pedi.
Quando eu estava já a sair do bar pra ir pra casa, a Farls chama-me bem alto, porque queria que eu a acompanha-se até casa, e eu, já com uns copos e AINDA ASSIM não querendo ser rude, eu aceitei. Assim que chegamos, ela ficou a puxar assuntos como "aah como vai a tua vida??" "ja faz tempo que não mos vemos", etc etc, e pra não ser rude, fiquei a falar com ela, pra meter papo em dia, e até que foi bom por um tempinho, porque poucos minutos depois, ela começa a comentar que eu estou mais alto que antes (tenho 1.79) e que provavelmente meu binguliroliro também está maior, comentando mais coisas sobre o meu binguliroliro, pondo-me assim numa situação MUITO desconfortavel.
" aaahm...obrigado??" respondi eu, seguindo da seguinte pergunta- "olha...tou sozinha em casa, queres entrar pra me fazer companhia e conversar mais?" olhando-me com os olhinhos de Gato. E eu, MESMO ESTANDO SOBRE EFEITO DO ALCÓOL, neguei, não só porque não queria nada com ela, mas também porque estava a namorar, e eu ja sabia onde é que isto iria chegar. Passado mais um tempinho de conversa, eu digo que tenho mesmo que ir pra casa e que já está tarde, e ELA FINALMENTE me deixou ir embora...mas assim que ela ja estava a entrar na sua casa, ela diz esta peróla " manda-me mensagem se queres NUDES". E eu, já de saco cheio, ignorei e fui embora.
No dia seguinte, depois das aulas, eu vou ao instagram, e fico pasmo e em choque quando descubro que o Homofóbico e a Farls estavam a namorar, lembrando-me da noite anterior, já a pensar que deveria contar o que aconteceu, pois mesmo o Homofóbico sendo um parvo, ele é meu amigo; Conversei com o resto do grupinho sobre o que aconteceu, e eles tiveram a mesma reação que eu, MAS disseram pra não contar nada ao Homofóbico, pois sabendo como ele é, ele vai armar briga por pensar que estamos mentindo, mas mesmo que eu concorda-se com os que eles disseram (pois ja aconteceu algo parecido no passado, e não foi muito agradavel), eu mesmo assim queria contar ao Homofóbico.
Mais tarde, vendo mais fotos no instagram, vejo um SPAM ENORME de fotos do tipo "AIIN MEU MOMOLADA, TE AMO MUITOO MEU AMORZINHO AIIN" (o que por sinal, é cringe de se ver) eu comento um "fds..." na brincadeira, pois é algo que fazemos uns aos outros no grupinho quando querem dizer indiretamente que a foto é "cringe" (em portugal, "foda-se" é o mesmo que "pqp cara...face palm), e MINUTOS DEPOIS, o Homofóbico vem armar briga connosco, especialmente comigo, porcausa do comentário que coloquei, e dps de muitos insultos, ele solta o melhor argumento alga vez criado- " estás é com inveja". No qual eu revido- "Se soubesses o que eu sei, não dirias que é inveja". ONDE ELE TAMBÉM REVIDE, mas de uma maneira linda, EM ALTO E BOM SOM (devo avisar que estavamos em frente do portão da nossa escola, onde quase toda a gente se reune depois das aulas pra conversar) - " pelomenos não sou eu que namora alguem do mesmo sexo que eu".
Depois disso eu fui embora, embasbacado com o que ele disse, ouvindo de fundo os meus amigos do grupinho a xingar ele.
Depois desse dia eu nunca mais olhei pra cara dele, e decidi que não contaria nada da possivel tentativa de traição da namorado do Homofóbico.
(Eu fiquei extremamente chateado com ele, pois eu ainda não tinha assumido, porque aqui onde eu moro, a homofobia é muita, e por conta disso, eu terminei com o rapaz com quem eu estava, por já não estar a sentir-me confortavel, ficando apenas como um Hetero Curioso).
E então...sou o babaca??
Beijos de portugal e desculpem a história ser longa.
submitted by DisabledZone to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.21 05:55 Shinvk Fui babaca por cortar raízes e relações com amizades de mais de 10 anos? Conflitos, novelas e tragédias.

Aviso de gatilho:
• Chantagem emocional.
• Abuso psicológico +.
• Menção a problemas de saúde mental tais como: ansiedade, depressão e +.

Primeiramente, olá Lubisco, editores, gatinhas e Turma.
Bom, a história é longa e cheia de drama então take a seat que lá vem história.
Editores, se puderem, por favor, censurar meu user, eu agradeço.
Eu sou S, F25 e os envolvidos dessa história são C - F24, G - F25, e E - M20, mas você pode chamar todo mundo de Calrs se quiser.
Pra contexto, vamos voltar alguns anos. Eu conheci a C a quinze anos atrás e nos tornamos melhores amigas desde então, well, ela era minha melhor amiga, eu era apenas mais uma no círculo infinito de amizades dela, já que ela adora colecionar cartinhas.
A G eu conheci a 10 anos atrás, e o match foi perfeito, éramos inseparáveis e honestamente, acho que tive uma crush pesada nela por todos essas 10 anos, acho não, tenho mesmo, mas isso não vem ao caso agora. Quando apresentei a G para a C, C se tornou estranhamento possessiva da G e meio que queria roubar a atenção dela totalmente, e já adianto, conseguiu. Se eu e G éramos o match perfeito, C e G eram carne e unha, inseparáveis.
Eu conheci o E a minha vida toda, praticamente, ele é primo do meu primo então em todas as reuniões de família acabávamos nos encontrando, mas nunca fomos muito próximos. Porém, no natal de 2018 acabamos ficando inseparáveis porque finalmente resolvemos conversar e percebemos que tínhamos tudo a ver um com o outro, mesmos gostos, mesmas ideologias e etc, e hoje nos perguntamos, por que não nos falamos antes? Como fomos burros hã?
Agora vamos a história, em Novembro 2018 eu me formei na universidade, me especializei na área que eu queria e estava com a vida engatilhada, recebi algumas propostas de emprego absurdamente incríveis e ainda mais, tinha planos até de sair da minha minúscula cidadezinha para tentar a vida na metrópole.
Veja bem, a vida que levei nunca foi fácil, aqui em casa sempre vivíamos com o básico, me formei com bolsa integral e se não fosse por isso, jamais teria oportunidade de fazer uma faculdade. Tenho uma vida muito simples e sonhos muito grandes. Mas nem tudo foram flores por um longo tempo, minha infância foi difícil, sofri traumas e certos tipos de abuso (os quais prefiro não mencionar aqui) que ficaram em silêncio por muitos anos, e que deixaram cicatrizes muito profundas. Tive depressão crônica por anos, tentei tirar minha própria vida algumas vezes e desenvolvi transtornos ainda piores em todo esse processo, um deles é pânico social e ataques de pânico contínuos. Tive muita dificuldade para lidar com meu passado mas de alguma forma, ao longo desses anos de faculdade, consegui me perdoar e fazer as pazes comigo mesma, e finalmente, entender que o que aconteceu comigo, não foi culpa minha. Em 2018, eu finalmente estava em paz comigo mesma, comecei a manter uma dieta mais saudável e fazer exercícios diariamente, sei que quem sofre de tais transtorno entende o quanto uma rotina dessas ajuda no processo de cura. E minha atividade preferida, era andar d bicicleta. Eu andava todos os dias, eu moro perto da cerra de Minas, o ar é maravilhoso, a vista é linda e o cheiro de terra somado com o vento no rosto quando se desce a montanha, é inigualável, e isso, me fazia feliz. Eu sou mais cega que um morcego, infelizmente, tenho mais de três graus de miopia e em um desses passeios, começou a chover muito, meu óculos embaçou e bom, você já deve imaginar, eu não enxerguei a pista e na tentativa de limpar a lente, não vi uma vala e sofri um acidente.
Geralmente meu irmão ia comigo, mas como a vida gosta de ser engraçada, naquele dia eu estava sozinha. Digamos apenas que o pneu da frente da bicicleta ficou preso na vala e eu virei 180 graus, cai de gostas e o guidão bateu com a força de uma bigorna no meu peito. Como eu estava sozinha, chovendo e pra melhorar, escurecendo, desentortei o pneu do jeito que dava, coloquei a correia de volta e voltei pra casa pedalando, quase 10km.
No dia a gente não sente, mas no dia seguinte, aaaaah meu amigo, acordei praticamente gritando de dor, em plena madrugada fiz meus pais levantarem em desespero, e para a surpresa de ninguém, quando fomos olhar, meu peito do lado direito estava praticamente preto, roxo e azul, um azul que já te digo, nem um pouco normal. Fomos pro hospital e após alguns exames, o diagnóstico foi três costelas quebradas. O médico disse que pela posição, elas calcificariam naturalmente e não precisaria de cirurgia, o que foi um alívio. Fiquei em observação e praticamente sedada em morfina por alguns dias, porém, quanto mais esses dias passavam, a dor piorava e piorava até chegar ao ponto de ser insuportável.
Meus pais marcaram outros exames, como ultrassonografia, exame de sangue e etc, e após tais, o médico da clínica disse que o trauma tinha sido severo, que meus músculos e nervos haviam absorvido completamente o impacto e bom, tive lesões extremamente severas, estiramento muscular, o tendão que se prende ao osso descolou completamente, os nervos intercostais que ficam entre as costelas tiveram ruptura, rasgaram e inflamaram, e a recuperação, disse ele, seria de 6 a 8 meses.
Para você ter uma noção, a dor, é indescritível, é de gritar e acordar chorando, não da pra respirar, não da pra andar, não da pra sentar, se movimentar, não da pra dormir. O peito parece que queima, parece que vibra de tanto que dói, as vezes acho que levar mil facadas no mesmo lugar doeria menos do que isso, e não é exagero. Eu fiquei praticamente o ano de 2019 inteiro de cama, acordava chorando dezenas de vezes por noite, as vezes chorava de exaustão e frustração porque dormir era impossível. Meus sonhos, você pergunta, todos descartados no lixo. Eu me sentia completamente entorpecida, era como um cadaver vivendo dentro de uma casca. Esse acidente literalmente acabou com a minha vida, se eu não podia sentar na mesa para almoçar com a minha família, imagina trabalhar, mudar pra outra cidade, fazer as coisas que eu sonhava? Essa experiência foi e continua sendo um inferno, porque até hoje eu estou no mesmo ponto, vivendo dia a dia com uma dor que não passa, só se aprofunda, não cura, não melhora, apenas atormenta e eu? Bom, não sobrou muito daquele eu feliz de 2018, voltei pro ponto zero.
Eu te pergunto, depois de uma experiencia dessas, depois de 1 ano e oito meses que estou vivendo esse inferno, isso não muda uma pessoa? Pois bem, muda sim.
Minha depressão voltou mais forte do que nunca, já não sentia mais vontade de fazer nada, parei de falar com as pessoas porque eu simplesmente não tinha mais forças, comecei a me isolar, a evitar contato, já não entrava mais em rede social, não sentia, não sinto, vontade de viver, de conversar de existir, e é nessas horas que a gente percebe quem realmente importa.
Meus pais e meu irmão estavam e estão do meu lado sempre, sempre que tenho febres, sempre que preciso de ajuda pra fazer alguma coisa; comer, ir de um cômodo para o outro e etc. E o 'E', o E me visita sempre que pode, vem nas férias, feriados e as vezes finais de semana, me ajuda, me distrai e é o amigo que eu não mereço, é praticamente meu outro irmão e eu agradeço a Deus até hoje por ter me dado esse presentinho mais que especial que eu amo mais que a vida. Tiveram noites que ele acordou de madrugada pra ver se eu estava com febre, computou todos os horários das minhas medicações pra me lembrar de tomar os remédios, quando ele não estava na minha casa sempre perguntava se dormi o suficiente, se comi o suficiente, se bebi água o suficiente. Ele me fez assistir Jojo inteiro e me aguentou todas as vezes que eu quis assistir Mo Dao Zu Shi de novo e de novo e de novo, tanto que agora é o anime preferido dele também e eu que sei, obrigada.
G, G foi um anjo também, ela ligava quando eu não conseguia dormir e assistia anime comigo, vinha vez ou outra e me tirava de casa, tinha toda a paciência de esperar eu andar devagar, sempre com a mão segura dentro da minha e bem, sempre perguntava se eu estava melhor, se estava bem e se precisava de alguma coisa, ela foi um amor, e dela não tenho nada a reclamar, será?
C, bom, C nunca perguntou nada, nunca quis saber como eu estava, apenas mandava mensagem quando precisava de alguma coisa, pediu que eu fizesse o design de uma tatuagem pra ela e mesmo com dor, sentei por horas e fiz, mandei pra ela e ela além de não agradecer, fez pouco caso e disse que tinha desistido de fazer. Okay, passou. C veio duas vezes pra cidade, até porque, a família dela mora aqui, ela faz faculdade em outra cidade e vez ou outra vem pra cá. Duas dessas vezes ela me chamou pra ir na casa dela, e eu idiota que sou, me arrumei e fui com dor mesmo, até porque, estava com saudades. Porém, o dizer da experiência? Uma pessoa com dor crônica involuntariamente geme toda vez que faz algum movimento, e comigo não é diferente, eu tento segurar mas as vezes o corpo responde e reage por si só, e C, ela sempre tinha uma piadinha na ponta da língua, "Nossa fia, não para de gemer não?", "Vai gemer a noite inteira? Não pode dar dois passos que geme." e caía na risada, instigando as outras amigas dela a fazerem o mesmo, e eu me sentia humilhada, e não era de menos. Da segunda vez que ela veio, ela me mandou a seguinte mensagem: "Quer vir aqui? Eu tinha chamado a Calrs, mas como ela não vai poder vir estou sozinha e entediada." e eu falei que ia, pra ela responder com "Então passa no mercado e compra pão de hambúrguer." era eu ou era o pão que ela queria a presença? Fica ai o questionamento pra vocês.
A noite prosseguiu com as mesmas piadinhas sem graças da outra vez e etc. Nunca mais mandou mensagem depois disso.
Inclusive, várias pessoas já me falaram que ela não era boa coisa, minha mãe principalmente, nunca gostou tanto dela, até meu ex, detestava ela com tudo que tinha, e eu sempre a defendi com unhas e dentes pra todo mundo que pensava em bufar um A contra ela. Até porquê, ela era minha melhor amiga.
A G, veio me ver uma noite, saímos e acabamos ficando e foi só aí que eu percebi que estava apaixonada por ela, fiquei dias juntando coragem pra confessar ou simplesmente esclarecer se poderia rolar algo ou não entre a gente, e já estávamos planejando de ficar de novo quando ela viesse da próxima vez.
No natal, as duas vieram pra minha cidade, e eu ia passar em casa com o E, já que minha família ia passar em outro lugar. O clima estava tenso passei a noite de natal com febre, deitada no sofá e praticamente evitando olhar pro E porque eu sabia que ele estava engolindo o choro, e sabe? Ele disse depois que doía me ver do jeito que eu estava e que ele simplesmente não conseguia não sentir, que se ele pudesse dividiria a dor comigo. Um anjo? Sim.
Na mesma noite recebi uma mensagem da C, perguntando se eu queria passar o dia 25 com ela e a G, elas iam subir uma trilha e passar o dia no rio, e obviamente eu respondi que não tinha condição, que se elas quisessem passar aqui em casa depois e passar a noite, a porta estava aberta, mas não, eu não podia ir, mas ela queria ir pro tal rio e tentou me convencer de todas as formas possíveis, e quando eu dei meu não definitivo, ela simplesmente não respondeu mais, e eu não me dei o trabalho de responder também. 'E' ficou revoltado e disse que a falta de caráter e a audácia dela era de dar ódio, que só eu não via o quão manipuladora ela era, e realmente.
Eu piorei depois disso, estava com uma ressonância marcada em São Paulo, e só de pensar nas agonizantes horas que ia ter que passar dentro do carro pra ir e voltar, já era o suficiente para me causar uma crise de pânico atrás da outra, e a partir daí comecei a me isolar completamente. Meu pânico de contato começou a se agravar, eu comecei a ter medo de falar com as pessoas e ter que explicar, ter ou que mentir que estava bem ou desmoronar quando dizia que não estava, e num desabado, postei em uma das minhas redes sociais que doía, doía estar presa dentro de mim mesma, doía não estar dando o melhor de mim pras pessoas que eu amava, doía não estar sendo boa o suficiente, e que tudo que eu pedia, era que não desistissem de mim se eu por algum motivo, eu me perdesse.
Dez minutos depois C respondeu ao desabafo, e essas foram as seguintes mensagens:
"A pessoa fica falando que os amigos abandonam ela mas ela mesma faz todo mundo se afastar, eu mesma já desisti, se faz pouco caso comigo, também faço pouco caso com ela. Se faz de vítima do cacete mas só faz merda. Reveja seus conceitos."
"Ain, não me abandona, mas quando eu tentava manter contato se fingia de morta, quando eu convidava pra sair sempre dava uma desculpa. Você está jogando todos os nossos anos de amizade no lixo e a culpa é sua SIM. Minha parte eu fiz, seu vitimismo e seu drama não me afetam mais."
Na mesma semana, um perfil sem foto e sem seguidores, basicamente uma conta fantasma, me mandou uma solicitação de mensagem e dizendo que me conhecia e conhecia tanto a C quanto a G e que essa pessoa não achava justo o que elas faziam; parece que C e G falavam de mim pelas costas, falavam pros outros que eu inventava essa dor simplesmente para chamar atenção, que provavelmente eu tinha até inventado esse acidente pra poder me fazer de coitada, que era puro drama e novela barata.
Eu não sei quem era, depois fui entrar nessa conta de novo e o perfil havia sido deletado. Só sei que nunca mais mandei mensagem pra nenhuma das duas, nunca mais vou também, não quis saber se era verdade ou não, simplesmente apaguei números, conversas e tudo que tinha relação com as duas, até porque, pelas mensagens que a própria C postou, bem provável que seja tudo verdade realmente, o que apenas dói mais ainda. Da C eu esperava, da G, não. Infelizmente, meu coração ainda pertence a ela mesmo depois de tudo, o que só piora as coisas pra mim.
Bom, só sei que precisava tirar isso do peito e perguntar para vocês, fui babaca por ter me isolado da forma que me isolei e ter permanecido em silêncio em momentos que eu estava em agonia? Fui babaca por não ter dado a atenção e o cuidado necessário pras minhas amizades quando eu deveria? Porque mesmo depois de muito tempo ainda sinto que é culpa minha isso ter chegado onde chegou, ao ponto que chegou. Eu sei lá, não quero conversar com elas porque sei que é caso perdido, o máximo que vou receber é desdém e sarcasmo, mas isso me perturba, talvez eu seja trouxa? Bem provável.

Enfim, era isso, mais um desabafo que um julgamento. Pra status, não consegui fazer a ressonância por conta do isolamento e meus pais acham que é arriscado me levar no hospital num momento desses. Esse mês faz um ano e oito meses que eu estou com essa dor contínua e não tenho prazo de melhora, mas sigo indo e sobrevivendo.
Lubisco e turma, obrigada por lerem minha trágica história. Dói um pouquinho menos depois de ter escrito tudo isso. E ah, não posso ir embora antes de coagir vocês a assistirem meu anime preferido, então anota Mo Dao Zu Shi aí e da uma olhada, melhor anime ever com o melhor ship LGBT do universo, recomendo ler o novel depois de assistir o anime e depois assistir o anime de novo porque tem muito detalhe que passa despercebido. Esse novel ganhou uns 500 prêmios e tem mais adaptação que o caralho, e é a única coisa que me trás um pouco de alívio e paz nessa situação, e espero que traga pra alguém nessa quarentena também.
Um grande beijo, S.
submitted by Shinvk to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.20 22:30 Sindrome123 AIAI TA CONSANDO MARLS

ola amigos ou amigas ou outro HJ VIM CONTAR O COSACOSA um dia muito lindo que não foi mais lindo eu fui pra fazendo do meu avó que eu achava que era meu tio bom voltando o assunto demora muito pra chegar la mais e um luga muito bom para fica sem net acredite mais eu tenho dois tios menores que eu eu tenho agr quase 13 eles tem 6 o outo 8 eles sao muitos ruins o larls que eo o meno ele colocar a culpa em tudo em outra pessoa ele eo meno e as pessoas acreditam nele fio duma fruta o maior protege o irmão dele e ele que se o machão mais não e ele eo que mais apanha bom e cheguei eu usava croques vermelhas e uma figura de um cachorro eu cai ralei o joelho a eu pensava a ta tudo bem e normal já que eu era meno que agr passou um tempo deu merda literalmente eu tava correndo atras das galinhas para eu fazer carinho eu amor tbm galinhas e outros animais eu tava correndo eu ja dizer mais se ja saber tinha tipo um posso de bosta mijo lama coco comida podre ai as galinhas pularam e eu bati na pedra que quase tudo la tem predas muito chiqueremoooo eu cai com tudo era minhas roupas favoritos .-. ai eu fique para falando o nome da minha irma na vdd eu falei MULHEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER ai minha irma veio e porque ficava muito perto onde eu cai ai eu mi limpei eu fui ordenha vaca tbm amo vacas animais são mais importante que os humanos eu fui la ai um filho te meu deu sai pra la com eu acho que se chama coise ai eu fui para na porta minha cara tava na merda de boi vaca era amarela marrom ida bem que eu estava com boca fechada depois desse dia nunca mais ordenhei vacas mais ainda amo elas fofas ai eu ia para cosa da minha avo e homem meu meu avo eu to com preguiça de colocar o assento ai tinha uma vaca dois bois ai eu estava indo normal mente para a parte do meu avo ai quando eu viro eu sentir algo me olhando elas olharam para mim eu estava com roupa vermelha nesse tempo ate eu tava com a cueca vermelha ai nesse tempo eu via pica-pau ai eu disse socorro bois e vacas odeiam vermelho eu estava no meio do caminho ela estava perto de outra casa a fazenda e muito grande elas comseram a corre eu tava parecendo aquele homem que canta que parece um passa matheus colocar o som do homem que parece um passaro AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH eu consiguei mais eu pulei a serca com arame farpado eu me cortei muito eu tava sangrando tanto que eu nem sentir do ou sentir e esqueci ai agr a historia acontece passo um tempo era mais ou menos 16:00 ai eu fui cavalga entre os bois eu fui onde tinha uma trilho cheio de esqueletos ai um esqueleto bate no esqueleto eu acho que era alguma coisa o cavalo eu cai ele saiu correndo cai no arramer arrame tava na minha barriga hj não tenho a sicatriz ai eu sentir um pouco de do ida bem que humanos tem camadas ai passou minutos não morri nao sofri algo grave eu fui dnv com outro cavalo eu falei pro meu primo mais velho que eu (eu que fazer cococo) o barls falou vai no mato e limpar com as folhas eu tinha esquecido que ele era o primo que eu mais odeio ru tirei fiz meu coco a eu esqueci que eu estava na fazenda entao era muito ruim o banheiro ele tava entupido eu fiz no mato no meu abitavel natural passei varias flores eu vi que ela tinha testuras deferente mais nao ligeui eu fui no fim da caminhada nao aconteceu nd voltei quarda essa folha lubita e matheus e rodrigo raro e gatas mais importante que o luba ai fui para minha mae e falei mae eu to sentido uma coseira e todo mundo fala que cheiro e esse de coco a coseira aumento aumentou mil vezes e eles perseberam que esse cheiro era meu eu comecei me cosa mostreii a folha pra minha irma aquela folha erauma folha se vc escostase nele vc ia fica cosando eu fiquei chorando todo mundo riu foi meu trauma tomare que se goste luba TwT TALVEZ EU FALE SOBRE MEU TIO MORTO
submitted by Sindrome123 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.16 23:13 Dressa_galactica O BV INESPERADO

Olá turma, Luba, gatas, editores (te amo Matheus), leds, café, cadeira e o microfone.
Hoje eu vou contar algo que me aconteceu no ano passado (sou carioca e tenho 16 anos, se quiser incrementar a dublagem), estava eu, no primeiro ano, eu gostava de um garoto que não tava nem aí pra mim e meu amigo Carlos (não Carls), me aconselhou a deixar de lado, já que ele também me deixava, ele me disse pra esquecer dele, procurar outro, eu tinha começado a ter uma leve quedinha por um dos amigos do Carlos, vamos chamá-lo de Garls, resolvi juntar o útil ao agradável e contei pra ele, péssima ideia, eu faço integral, é importante pra história, tivemos essa conversa na hora do primeiro recreio (é recreio sim, só minha opinião importa), na hora do almoço o Carlos já tinha contado pra quase todo o nosso grupinho, chamou o Gars e me deixou sozinha com ele, eu estava sentada em cima de uma das mesas de ping pong de cimento que tem lá na escola e ele em pé, de frente pra mim, ele era tímido, eu sou tímida, ficamos nos olhando e rindo sem saber oq dizer ou fazer, até que ele se aproxima e me beija, no começo foi normal, mas a partir do momento em que eu peço passagem com a língua e ele mete a língua dele na minha boca eu percebi que ele não fazia ideia do que estava fazendo, eu não era bv, mas ele claramente sim, foi horrível, ele girava a língua loucamente enquanto ia com ela pra frente e pra trás, mano, ele nem ao menos mexia a cabeça, credo, ele parou e nós voltamos a nos encarar e rir que nem duas antas, até que ele me beija de novo, aaaaa, de novo a mesma coisa, eu forçava pra ver se ele se tocava e virava a cabeça mas ele nem se mexia, ele saiu de perto e eu desci da mesa, indo atrás dos nossos amigos, eu definitivamente não ia passar por aquilo a terceira vez, e segurei a mão do meu melhor amigo, o Mark e puxei ele pra subir pra sala e ele já logo perguntou "vc se arrependeu né ?", eu disse que sim né era óbvio, eu tava sentindo uma mistura de nojo, arrependimento e peso na consciência, porque pra mim era como se eu tivesse traindo o meu crush de verdade, eu fiquei totalmente em choque.
Eu tive as aulas, na hora do último recreio eu desci com Carlos e Mark, pedi pra eles ficarem perto de mim pra ninguém me ver, fui com eles pro outro lado da escola, bem longe da rampa pra ver se eu não trombava com o Garls, mas o Garls estava disposto a ir atrás de mim, ele foi, eu estava sentada de costas pra ele, mas me virei, ele disse "É… tô indo embora", eu disse "Tá…", ele se aproximou e eu me encolho pra trás, Carlos e Mark estavam na mesa, mas não fizeram absolutamente nada, ele se aproximou de novo e eu virei a cara, ele me abraçou, meio desajeitado e eu me encolhi toda, ele desistiu e disse "Tchau", ele se virou e foi embora, enquanto eu estava encolhida de cabeça baixa na mesa, Carlos e Mark estavam igual, tadinho dele, eu realmente fiquei com pena, mas não sabia oq fazer, foi muito constrangedor, depois que ele virou a esquina Mark e Carlos começaram a rir que nem dois idiotas, eu defendi ele várias vezes, mas não aguentei e ri também, fazer oq né.
O plot Twist foi quando eu cheguei em casa, um colega da minha sala me mandou mensagem "Andressa, te filmaram beijando, achei errado e tive que te contar", CARALHO, TINHAM FILMADO A PORRA DO BEIJO, INACREDITÁVEL, eu falei com o meu bonde e todos se juntaram pra tentar resolver, eu surtei e ameacei alguns colegas que eu achava que podiam ter feito, porque era alguém da minha sala, não consegui descobrir quem foi, surtei mais e ameacei todos no grupo de processo por terem usado a minha imagem sem a minha permissão, mas no outro dia meu bonde tinha achado quem foi e sumiram com o vídeo, deu tudo certo.
Então, essa foi a minha história, obrigada por lerem, eu tinha uma vida agitada antes da quarentena, sdds, beijos, até a próxima história.
submitted by Dressa_galactica to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.14 05:19 Salamandra01_ O meu primeiro amor...

Olá, Lubinha, editores maravilhosos e caros telespectadores dessas terras tupiniquins. Queria começar agradecendo por você dar tanto espaço aos seus inscritos e foi por isso que tive coragem de compartilhar uma história muito importante da minha vida com vocês.
Completei o ensino fundamental todo em uma escola particular, pois graças a minha mãe e uma pitadinha de sorte consegui uma bolsa integral lá. E eu agradeço muito por ter estudado lá e conseguido ter uma boa educação, porém nem tudo são flores. Haviam algumas restrições lá e uma delas era justamente o controle sobre relacionamentos. Acontece que a escola não tinha ensino médio e eu tive que vir para uma escola pública aqui do meu bairro.
Quando cheguei lá, estava sem amigos (já que o pessoal da particular nunca fez muita questão de estar comigo, e ainda por morarmos longe), fiquei completamente perdido, afinal o ambiente era totalmente diferente. E foi aí que a minha vida começou a mudar: comecei a perceber que ao responder as perguntas dos professores eu era intitulado de nerd, por causa das minhas roupas mais casuais e por ter estudado numa escola particular eu era o riquinho da turma, e o pior de tudo: eu provavelmente era a única pessoa daquela escola que ainda não tinha beijado. Por sorte, acabei conhecendo bons amigos, inclusive o meu melhor amigo.
Passou o primeiro ano e essas questões estavam me preocupando cada vez mais, até que algo incrível aconteceu: a menina mais linda que eu já tinha visto entrou na minha sala e sentou em uma das mesas. Foi a partir dalí que eu não conseguia mais prestar atenção nas aulas, pois só tinha olhos pra ela. Eu não teria coragem de chegar nela, até mesmo porque a pouco tempo atras eu nem me importava com isso e então não tinha experiência nenhuma. Até que um dia teve uma palestra e ela por coincidência ganhou um livro de poemas. Eu nunca fui o tipo de cara que gosta de ler, mas aquela era a oportunidade perfeita para eu tentar me aproximar. Quando estávamos voltando pra casa eu a chamei, os amigos dela estavam com ela e eu estava morrendo de vergonha, mas tomei coragem e pedi para que ela me emprestasse o livro depois de ler. Foi assim que começamos a nos falar.
Até que um dia aconteceu a festa junina na nossa escola, e eu estava andando pra lá e pra cá com meu amigo, quando do nada eu e ele recebemos um bilhetinho dizendo que tinha alguém interessado em nós. Eu fiquei desesperado tentando encontrar quem mandou aquele bilhete, mas no meu coração eu tinha certeza que foi ela. Então um dia enquanto conversávamos eu tomei coragem e disse: eu gosto muito de alguém, mas eu tenho medo de falar porque pode ser que esse alguém que eu goste na verdade gosta do meu amigo (porque ela poderia ter mandado o bilhete pro meu melhor amigo ao invés de mim). E eu fiquei chocado quando ela respondeu: eu gosto de alguém, mas eu não sei o que fazer porque a minha melhor amiga também gosta dele. Bom... não preciso nem dizer que eu estava num mix de felicidade e preocupação. Conversamos bastante e decidimos que, apesar de inevitávelmente machucar alguém, eu gostava dela e ela gostava de mim, e não seria certo nós nos restringirmos por causa da amiga dela.
Meu primeiro encontro estava marcado, decidimos ir ao cinema. Eu cheguei quase 2 horas antes porque estava muito ansioso. Me levantava do banco e sentava a cada 5 minutos, as pessoas a minha volta deviam achar que eu era louco. Tinham dos caminhos pelos quais ela poderia chegar, eu ficava olhando pros dois lados sem parar, morrendo de ansiedade. Até que eu vejo ela vindo, não consegui me segurar, ela estava tão linda que eu abri um sorriso de uma orelha a outra. Nos cumprimentamos, demos uma volta antes de entrar e finalmente fomos assistir o filme. Quando estava na metade do filme eu sabia o que tinha que fazer, mas minhas pernas tremiam muito e eu não conseguia me mexer, até que eu decidi olhar para o lado e esperar ela me olhar de volta. Acontece que, ela era tão quanto ou mais envergonhada que eu então ela não olhou. Então eu cheguei perto dela e disse que queria beijá-la (kkkkkk nós ficamos rindo por um tempo), até que enfim nos beijamos... não vou mentir, tivemos que tentar umas seis vezes até rolar um semi-beijo (porque ela também não tinha beijado muitas pessoas). Depois daquilo eu abracei ela e continuamos olhando o filme. Por sorte, quando estava quase acabando eu lembrei de pedir pra ela olhar o meu rosto (eu estava cheio de batom kkkk). Saímos junto e voltamos pra casa, não queria estragar o resto do encontro então nem arrisquei tentar mais um beijo.
Bom... foi depois disso que tudo começou a desandar. Um dia enquanto conversávamos ela disse que precisava de um tempo para pensar, e quando ela voltou disse que era melhor nós pararmos. Meu chão desabou, começaram os piores dias da minha vida. Eu continuei ao lado dela como amigo, mas eu só estava me enganando... me machucava ficar ao lado dela só como amigo mas eu também não queria deixar de ser amigo dela. Começou um período de total confusão, ela tinha namorado por pouco tempo com uma menina ha um tempo atrás e parecia que nós estávamos competindo por ela. Isso continuou até o verão quando eu fui pra praia no ano novo, estavam todos comemorando e eu não conseguia parar de chorar pensando nela. Foi quando eu vi uma daquelas brincadeiras por status do Whatsapp onde precisa marcar entre uma semana atrás, um mês atrás, etc. E essa outra menina tinha marcado uma semana atrás para beijo... foi quando caiu a ficha. Não tinha sido eu o escolhido. Eu entrei no pior momento da minha vida, se eu já estava triste depois daquilo eu fiquei destruído. Depois que voltei das férias pedi para ela pra gente assistir um filme que já queríamos assistir há um bom tempo. Me diverti durante a tarde, tentei esquecer tudo o que tinha acontecido. Na hora de ir embora, ela me acompanhou até metade do caminho, eu dei o abraço mais forte que pude dar e me despedi. Fiz isso porque eu tinha tomado uma decisão: eu não queria mais sofrer... aquela era a última vez q a gente se falava.
Chegou o terceiro ano, minha rotina era ir pra escola, voltar pra casa e enterrar minha cabeça no computador fingindo que o mundo não existia. Meu melhor amigo tinha começado a namorar e eu já estava cansado de tudo aquilo. Eu sempre fui meio a moda antiga, e isso era um pensamento que me atrapalhava, porque eu já tinha deixado de ficar com as pessoas porque eu dizia que aquilo era ruim, que era errado ficar com alguém sem ter sentimentos (mas também grande parte era por medo da minha falta de experiência). Então por olhar pro lado e ver todo mundo feliz enquanto eu vivia triste, decidi que iria mudar... que eu nunca mais ia pensar em namorar na vida e que só ia viver de aventuras. Não durou muito tempo, afinal é impossível tentar ser quem você não é, continuava só com um beijo na ficha criminal.
Foi então que minha vida virou de ponta cabeça de novo... eu recebi uma mensagem dela. Foi a mensagem que mais abalou o meu coração, ela estava muito triste comigo por eu ter deixado de falar com ela porque ela realmente gostava muito de mim e eu me afastar dela foi suficiente pra ela perceber isso. Bom... eu fui um cuzão, mas posso me justificar por ter sofrido bastante, eu estava com medo de sofrer de novo, então eu disse pra ela que tinha mudado e que se ela quisesse eu só ia ficar com ela. Mas o sentimento foi mais forte, eu também sabia que gostava muito dela. Até que teve o aniversário do meu amigo, e eu pedi pra ela vir na minha casa antes para nós conversarmos antes de ir. Foi uma conversa bastante estranha, mas no fim decidimos dar uma chance pra nós, no fim eu fiquei tão empolgado que tentei dar um beijo nela, mas ela desviou e me pediu desculpa (o que era completamente compreensível devido a toda situação).
Foi então que começamos a ficar. Apesar disso, nós ainda não tínhamos tanta intimidade e não tinha rolado um beijo de verdade ainda. Eu ia pra casa dela mas nós ficávamos conversando, conversando mas ninguém tinha coragem de avançar. Até que um dia nós decidimos ficar nas escadas do prédio... e foi a mesma coisa, conversamos até a hora de eu precisar voltar pra casa. Eu estava completamente frustado comigo mesmo por mais uma vez não ter conseguido tomar iniciativa. Eu me levantei e nos abraçamos pra nos despedir, quando a luz da escada resolve apagar... nós ficamos um tempo abraçados e aí finalmente rolou. Foi um momento mágico, como se fosse o nosso novo primeiro beijo.
Depois disso começou a melhor parte da minha vida. Eu tinha uma namorada linda e era muito feliz ao lado dela. Então chegou aquele momento da relação onde precisávamos dar o próximo passo, acontece que nós dois tínhamos irmãos e era raríssimo ter um pouco de privacidade. Foi então que eu tive coragem de pedir para o meu pai me ajudar, então um dia marcamos dela pousar aqui. Naquela noite meu pai levou minha família pra sair e eu fiquei sozinho com ela. Estávamos assistindo um filme comendo pipoca, a ideia era esperar o filme acabar mas não tínhamos tanto tempo assim pra esperar. Aquele parecia o filme mais longo do mundo, até que eu olhei pra ela e disse: tu ainda quer ver o filme? (Eu sei kkkkk eu tenho um dom de constranger as pessoas), novamente nos rimos por um tempo até que ela disse que não queria mais assistir. Eu fui até a tv, abri no youtube e disse pra ela: você tem duas opções de playlist, a atual ou a clássica (kkkk bom... isso eu posso explicar, eu sempre comentava com meu amigo que algum dia eu iria fazer amor ouvindo aquelas músicas românticas clichês, porque eu realmente gostava delas). Pra minha surpresa, ela escolheu a clássica. Aquele era o momento mais feliz da minha vida, eu não estava acreditando no que os meus olhos viam, ela usava uma linda lingerie preta e a luz da tv na pele morena dela dava um contraste lindo a beça. Aquela foi a nossa primeira vez, um momento muito especial pra nós dois, a minha primeira vez e a primeira vez dela.
Acho que muitas vezes as pessoas esquecem que sentimentos mudam tudo. Nosso primeiro beijo, nossa primeira vez... obviamente não foram as melhores coisas do mundo, mas para mim e para ela foi, porque não se tratava de beijo ou de sexo, se tratava de amor.
Nós namoramos por bastante tempo, até que os problemas começaram a surgir e as diferenças começaram a nos atrapalhar. Ela era uma pessoa que gostava bastante de sair e eu era uma pessoa mais caseira, que gostava de cinemas, restaurantes, piqueniques. Além disso, eu sou uma pessoa extremamente carinhosa, já ela tinha uma maneira mais sutil de demonstrar carinho. Isso ao longo do tempo começou a ficar cada vez mais evidente, até que começou a machucar. No início nos fingimos que não estávamos vendo, porque amavamos muito um ao outro e não queriamos nem pensar na possibilidade de terminar. Mas infelizmente se tornou inevitável, nós tivemos algumas conversas mas para nós darmos certo era necessário que ambos mudassem, e nós não achavamos certo ter que mudar, afinal um relacionamento só da certo se ambos aceitam e conseguem suportar as diferenças. Foi então que a gente viu que não dava mais certo e resolvemos terminar. No fim, o sentimento não foi de raiva, não foi de tristeza. Decidimos continuar amigos porque a amizade um do outro importa muito pra nós, eu quero que ela seja feliz e sei que ela deseja o mesmo pra mim.
Com essa história gostaria de dizer que ter maturidade significa olhar pra trás e não ter vergonha do passado. Graças a ela eu me tornei uma pessoa melhor e aprendi muitas coisas. Aprendi com meus erros e vou me certificar de não errar da próxima vez. Nunca vou me esquecer dos nossos momentos juntos eu vou guardá-la pra sempre no meu coração.
OBS: sobre os bilhetinhos de festa junina, quando namoramos ela me contou que na verdade o bilhete que eu tinha recebido era da amiga dela e ela resolveu mandar pro meu amigo pela zueira kkk / outra coisa, ela foi muito importante pra eu mudar meu pensamento retrógrado, hoje eu sei que não tem nada de errado em ficar, e que na verdade é até bom pra conhecer a pessoa bem antes de tentar algo.
É isso, te amo Luba! Abraços!
submitted by Salamandra01_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.12 10:11 LinnenYuniPqSim Sou babaca por me apaixonar pela minha melhor amiga ?

Acho que é difícil o Luba ler isso aqui mas ok , me jogo na lava pra me queimar mesmo. Olá Luba , editores , gatas , possível convidado(a) e pessoas da turma que estão lendo.
Bom , eu mudei de escola no terceiro ano do fundamental 1 , atualmente estou no oitavo ano e a minha amiga Esmeralda(vou chamar ela assim pq eu amo esmeraldas , HAH) também está no oitavo e enfim. No quarto ano eu conheci ela e eu realmente fiquei curiosa por ela sabe. Tinhamos os mesmos gostos , tinhamos raiva das mesmas pessoas e ambas nós duas tinhamos ciúmes uma da outra , era meu segundo ano naquela escola e eu ainda era meio tímida , e a minha amiga q tinha entrado na escola junto comigo estava em outro período ou seja , eu estava sozinha , ela desenhava junto comigo também. Enfim , eu e a esmeralda éramos boas amigas , claro , briguinhas bobas de criança como:"VAI LÁ COM A SUA OUTRA AMIGA VAI" Mas tava na cara que a gente ficava de boas depois , o que eu achava muito estranho pq tipo , ela não era de desculpar as pessoas mas comigo ela tava sempre me perdoando. Tá , seguimos do quarto ano até o sexto juntas , eu lembro que toda semana morria pelo menos 2 parentes dela , e era tantas as vezes que ela vinha me falar que as crianças percebiam e ficavam zoando com a cara dela , eu tinha um pouco de medo porque diziam sempre: "Ó Linnen , a Esmeralda tá apaixonada por vc , vive inventando coisa pra chamar sua atenção." Eu comecei a acreditar nas pessoas , até comentava com a minha mãe , e quando eu falei com ela de que a menina poderia estar só querendo minha atenção minha mãe concordou. Nisso eu me afastei dela , eu estava com outra amiga , eu tinha medo dela naquela época , e aí ela focou a vida no amigo dela e mesmo assim ainda tinhamos ciúmes uma da outra. No sexto ano eu perdi todo mundo , eu só tinha ela por perto , eu não conhecia ninguém daquela nova sala , então é , eu voltei a ficar por perto dela. Mas naquele tempo eu estava olhando ela de outra forma , eu notei que precisava dela por perto ou então eu iria morrer sozinha Eu me arrependi de tudo , de todas as vezes que falei mal dela , de todas as vezes que ignorei os momentos que eu podia ter ajudado ela e não ajudei. Eu perdi o foco nos estudos , eu dediquei todo o meu tempo para ela , a todo momento eu estava com ela. Saíram boatos que nós estavamos namorando , era 2018 e ainda tinha aquela polêmica se tivesse casal gay ou lésbico eu negava sempre , mas ela não ligava pra nada e eu nunca notei. Perto de maio , ela começou a namorar aquele amigo dela , mas não deu certo Um dia a irmã dela descobriu que o pai delas não era fiel ao casamento e aí vem o divórcio , junto com isso aquele idiota do namorado dela ficou tirando sarro da cara dela e eles terminaram. Como eu disse , o povo tinha medo dela e ela não tinha boa fama , mas eu dediquei meu tempo todo pra ela lembram ? O ano estava acabando , e ela estava indo pra de manhã no sétimo. Eu conversei com meus pais mas não deu certo Por fim , chegou a porcaria de 2019 , eu de tarde ela de manhã com a nossa outra colega(mais ou menos , a Esmeralda e essa colega tinham brigado no final do ano por causa dos jogos da escola) Enfim , ela saiu da escola e também não respondia minhas mensagens , nem por e-mail , nem instagram , nem amino nem mesmo Whatsapp. Eu estava muito preocupada , eu ia ora escola sozinha pensando nela. Normalmente eu estava neutra a todo momento , não tinha muitas pessoas , eu tinha conhecido umas meninas legais mas não era o mesmo que estar com a Esmeralda entende ? E aí , de repente eu recebo a mensagem dela no amino uns 3 ou 4 meses depois das aulas terem começado Ela estava com um relacionamento virtual , eu tava de boas naquela época eu nunca pensei na possibilidade de eu estar apaixonada por ela. Passou o tempo e aí okei né , eu descobri que sou bissexual , falei isso pra ela e ela disse que também é. Nesse tempo ficávamos ligando uma pra outra todo dia que eu chegava da escola e bem um dia eu pensava nela , outro dia eu ficava louca pra voltar pra casa e ver aquele sorriso e aqueles belos cabelos cacheados escuros e tals E do nada , eu me apaixonei por ela. Junto a isso ela apareceu dizendo que já tinha se apaixonado por mim uma vez mas que tinha muita vergonha de me dizer aí eu me apaixonei por completo e sei lá , um dia ela brotou com um tal de um menino que usava o perfil de Killua. E eles estavam namorando , okei , eu superei o namoro deles. E pra variar não durou nada , eles terminaram em menos de dois meses....E eu decidi dizer o que eu sentia , mas né: "Ah , desculpa , eu te amo sim , mas como melhor amiga , nada mais doque isso" Eu não fiquei louca , eu não briguei com ela , eu só aceitei e disse pra ela que eu entendia , e que eu não posso obrigar ninguém a me amar. Mesmo depois de tudo isso , eu ainda estou amando ela , tendo pensamentos dela por perto , imaginando como vai ser quando nos encontrarmos novamente. Eu sou babaca de mesmo sabendo que ela não me ama continuar apaixonada pela minha melhor amiga ?
View Poll
submitted by LinnenYuniPqSim to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.11 10:51 velalolo Não consigo perdoar

não consigo explicar muita coisa agora porque eu tô exausta mentalmente e não vou ter saco pra descrever tudo em detalhes aqui nesse post, mas em suma é: eu não consigo perdoar meus pais.
não consigo perdoar eles por terem sido responsáveis pelos problemas de confiança que eu tenho hoje. não confio nem um pouco neles, não consigo ser grata a eles por terem me dado tudo do bom e do melhor, não consigo dizer “eu te amo” pra eles porque eu não amo.
eles sempre me rebaixaram dizendo que eu vou virar um nada na vida, que eu sou vagabunda, que eu sou incompetente, que sou relaxada, retardada, burra, idiota, doente, problemática, entre muitas outras coisas que já tive que ouvir.
eu tenho 17 anos e tenho que lidar com essas coisas desde os 10. sempre tive minha privacidade invadida, sempre tive minha capacidade questionada, sempre fui lembrada de que eu sou gorda e afins.
e o pior é que eu sou assim. eu sou. mas eu acredito de coração que eu não sou. eu me tornei assim por causa deles, por conta desses comentários desde cedo entranhados na minha cabeça e atitudes deles que me levaram a ser quem eu sou.
quero sair de casa logo, entrar na faculdade e sumir daqui. o ruim é que vou deixar meus amigos pra trás, mas só de me imaginar longe deles meu coração se enche de alegria. não deveria ser assim. deveríamos sofrer por sair de perto dos pais, deveria dar saudade, deveria ser demorado, mas eu não vejo a hora de ir.
não sinto peso por dizer que não os amo, que não sentirei falta porque é verdade. talvez eu sinta falta do conforto de ter alguém pagando tudo pra mim, de ter comida pronta na mesa e daquele conforto próprio da nossa casa. mas a que preço? prefiro ter que ralar pra conseguir pagar minhas contas, chegar em casa e ter paz do que alguém me bancando e que exploda com tudo que eu faço e digo. quero ser livre.
se você leu até aqui, obrigada. ❤️
submitted by velalolo to desabafos [link] [comments]


2020.06.09 09:07 SaradaSensata "SOU BABACA POR CRIAR UM FAKE E FALAR COM TRÊS PESSOAS DIFERENTES?"

Olá Luba, editores, possivel convidado, espírito malígno que está te almadiçoando, e turma que está a ver! Bom, está história acontece no desenvolver de 2019, mais o principal acontece no final dela. PS: Sou "meio" nordestina, então faça sotaque ou não" :)
CONTEXTO: Para entenderem um pouco, vou falar um pouco de minha vida. Eu sempre me mudei muito, a vida inteira praticamente. Aos 8 anos, quase 9, me mudei para Recife, e antes disse morava em João Pessoa (é cidade famosa, então vou falar o nome mesmo). Bom, quando me mudei para Recife (estava na 4 série), tinha uma garota (vamos chamá-la de Brittany) e ela era a mais "popular", podemos assim dizer, da sala. No começo eu queria ser amiga dela (PS: Eu me mudei no meio do ano, e só no segundo semestre, eu sofri muito bullying, inclusive da Britanny, mas resumindo, era de todo mundo). Quado chegou a quinta série, eu comecei a odia-la, e fiz outra mlhr amiga (vamos chama-la de Erika). Só que tem um porém, ela também era a mlhr amiga de Brittany, e eu sempre avisava a Erika para se afastar dela, pois ela era falsa e tals. (FIM DO CONTEXTO)
Chegando na sexta série, eu já era super melhor amiga da Erika, e nas férias que tiveram no final do ano passado, a mesma cortou seus laços com a Brittany, pois ela xingou tanto eu, como a Erika (eu avisei que ela era falsa, mas ngm me ouvia).
Chegando no colégio, a (avisando que todos os nomes são falsos) Maria, uma amigona minha, se juntou com a cobrine... que dizer, Brittany e viraram BFFS, e as duas falsas e metidas, mas por causa de uma garota, tudo mudou.
Chegou uma menia nova no colégio, ela era prima de Maria e João (ambos são primos entre si, mas n vem ao caso), o nome dela era Carls. Carls, diferente da prima na epoca, era super gente boa e muito legal. Eu virei amiga dela mas pelo fato dela ser prima da Maria, imediatamente a Carls virou melhor amiga Brittany, e, EU NÃO SEI O QUE TEM NA CABEÇA DESSA GENTE, a Erika também ficou, de novo, melhor amiga de Brittany. Elas viraram um quarteto. Brittany já não era mais a mesma, mas mesmo assim ela era meio falsa, mas aos poucos ela foi ficando legal. Para que eu não ficasse fora do grupo (pq eu fiz isso), eu me JUNTEI a elas (burrice), então ficou nós cinco, eu gostava da amizade, só que a Brittany era muita chata as vezes.
No meio do ano, a Brittany virou aquela tipica garota da sexta série que acha que esta no nono, conclusão, ela começou a andar muito com o povo do setimo e oitavo ano, raramente com o nono, e mais raramente ainda com a gente.
A gente tentou falar para ela que nós tbm eramos amigas dela, mas ela n ouviu, e alguem decidiu se afastar? CLARO QUE NÃO! No começo eu até queria, mas acabei não indo.
Em outubro mais ou menos, Brittany foi falando mais com a gente, mas mesmo assim, ela ainda preferia conversar com as garotxs mais velhos. Em um dia qualquer, ela me chamou para eu ir em um sitio que ela tinha junto com ela, e é claro que eu topei, eu queria voltar com a minha amizade de antes, pois mesmo ela sendo meio chata e FALSA, ela tinha seus momentos amigaveis (e tbm que se eu n fosse amiga dela, Erika, Maria e Carls se afastariam de mim).
Nós iriamso passar o final de semana juntas, e aquele final de semana foi o melhor final de semana da minha vida, mas esse pensamento so durou poucas semanas.
Sabado a noite, eu e Brittany ficamos acordadas a madrugada, e eu acabei contando que eu tinha um fake no inxta (é para falar xiado), pois naquele fake, eu falava com o meu crush da época, Gabriel, que por acaso era do 7 ano, e Brittany tinha contato com ele. Brittany pediu meu perfil falso emprestado, só que tinha um detalhe, o garoto com quem ela queria falar era do oitavo, e já tinha outra amiga minha (ana, que era do 7 na epoca, e que tbm era super amiga de Brittany) que tbm era dona da conta, mas isso n me impediu de eu dar a conta para ela.
Enfim, eu dei a conta e ficamos nós treix (eu, Brittany e Ana) falando com nossos respectivos crushs, o meu era do 7 ano, e o de Brittany e Ana do 8 ano.
A semana passou normalmente com cada um falando com seu crush, e fato, eu falei que EU (a da conta falsa), estava no 9 ano da tarde. Em uma bela noite, Brittany me liga falando que o crushu dela estava loucamente conversando com ela, só que eu achei estranho, pois o crush de Ana tbm estava falando ao mesmo tempo, até ai eu comecei a desconfiar.
Depois de um tempo, eles (os crushs das minhas "AMIGAS") falaram que descobriram tudo, e outra, mesmo eu estudando a 2 anos e meio naquele colegio, eu NÃO SABIA QUE NÃO EXISTIA NONO DA TARDE, e eles me zuaram mt por isso. Dps, os dois criaram um grupo no inxtagram só com o pessoal do 8 e um pouco do 7 ano, INCLUINDO A ANA. Eles mostaram para todos do grupo a "minha" mentira, e a FALSA da ANA nem me defendeu, falando que tbm era dona e que tudo foi um mal entendido (e fato que eu nem acabei falando com o meu crush, ele n me aceitou no inxta, então quem falou com os seus respectivos crush foras AS "MINHAS AMIGAS" e não eu).
Depois disso eu comecei a passar por zuação para o 8 ano e um pouco do 7 ano, meu crush se lembrou de mim (a gente ja se conhecia, nós eramos grandes amigos por causa que a gente ia junto para casa na mesma van, mas qd eu sai de lá, ele me ignorou por completo).
E eu tinha muito receio de ir para o colegio, pois eu morava perto, muito perto mesmo, então eu ia e voltava da escola a pé, e sempre que eu ia e voltava e os encontrava, eles ficavam gritando, me zuando e me xigando, e eu odiava isso. No intervalo, eu odiava passar perto deles, então ia para outro lugar, e minha amizade com a Brittany não acabou por causa disso.
Mesmo depois de toda a cota de humilhação, nós continuamos amigas, nós só nos distanciamos pois a mesma iria se mudar de colegio (amem senhor), mas na epoca, eu não queria acabar coma amizade dela (sim, eu sou burra), mas minha opnião n valia, ela, no primeiro dia de férias, em bloqueou, bloqueou Maria e parou de falr com a Carls (que era a mais proxima dela). Eu via nos stories do inxta dela, ela saindo com as garotas do oitavo e setimo ano.
MAS NÃO ACABOU POR AI!
Chegou 2020 e o ano estava passando rápido. Como no meu antigo colegio o nono ano era considerado o médio (n sei o pq), as pessoas do oitavo não eram mais do fund. 2, portanto, eu raramente os via.
Eu soube no começo do ano que me mudaria para SP, extamente no carnaval (dia 24 de fevereiro), então dia 21 (sexta), seria meu ultimo dia com as minhas amigas, e neste mesmo dia, era carnaval no colegio. Eu já estava pensando em como seria minha despedida e tals, como eu falaria com cada uma (procedimento padrão para quem se muda muito). Quando chegou no ultimo horario, eu já ia falar com as minhas amigas, a vibora brotou do inferno no colegio, sim, extamente, a Brittany, que até então estava estudando em OUTRO colégio, decidiu vira para meu antido colegio passar o carnaval com as suas amigas (ela nem me falou um "oi").
Conclusão, eu não pude ficar muito no colegio como o esperado, eu queria ficar até uma da tarde, mas eu descobri de ultima hora que eu teria dentista, e tive que ir mais cedo. Tive que me despedi rapidamente, teve gente que eu nem falei "tchau", pq eles sumiram. E ainda por cima, aminha fantais estava me machucando.
AINDA TEM MAIS
A Carls (até hj somos muito amigas) estava conversando com a Brittany, nada ilegal, ela faz o que quer, mas o ponto não é esse, eu vou mostra como foi, mais ou menos, o noss dialogo.
-Carls, eu ja vou indo!
-Ai amiga, tchau. -Falou me dando um abraço de merda
Eu ainda tinha todo um discurso para dar e tals, só que a Brittany estava a seu lado (inclusive, a vaca, só me deu um tchau meia boca) e ela comecou a falar o seguinte.
-Carls, ele ganhou chifres! -Eu fiquei tipo "wtf, mano, oke?"
-AI MDS ME CONTA ESSA HISTORIA DIREITO BRITTANY! -Gritou a Carls.
Elas me deram um outro tchau e começaram a andar como se nada tivesse acontecido. Eu não fiquei triste pelo fato da Brittany ter interrompido minha "despedida", e sim por Carls querer saber como "suposto boy magia" dela ter ganhado chifres, ao inves de se dispedir direito de mim. (Carls, se vc percebeu que eu estou falando de ti, n se culpe, ainda sou muito sua amiga, mas eu fiquei bem triste neste dia, n só por vc, mas por todas vcs)
No final, só uma amiga realemente doi minha amiga, ela até perguntou se dava tempo de ir ao aerporto se despedir de mim, mas ela perguntou em cima da hora (Te amo Karolaine)
BOM, AGORA ME AJUDEM!
Eu fui babaca por querer que minhas amigas me desse mais atenção do que a Brittany no ultimo dia de aula que eu teria? Eu fui babaca por querer que todas elas se afastassem da Brittany? Eu fui babaca por querer colocar toda a culpa da conta fake nas minhas "amiga" (Ana e Brittany)? Eu fui babaca nesta história?

Obrigada por me ajudarem e bjos!
View Poll
submitted by SaradaSensata to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.23 17:40 Vitor_Lenon Sou babaca por me apaixonar pela namorada do meu melhor amigo e fazer eles terminarem ?

Ola Luba, editores, bonecos de papelão e seus restos mortais, possivel convidado (ninguém quer visitar o Luba além do Jean ) e turma que está a ver.
Minha historia meses depos de terminar um namoro com minha primeira namorada que durou 3 anos, depos 5 ou 6 meses eu continuava mal e perdido, não sabia oque fazer, até que meu melhor amigo (irei chama-lo de Cristofe) não gostando de me ver nessa situação diz que vai me apresentar a irmã da namorada dele, ela tinha acabado de sair de um relacionamento abusivo e achava que nós dois poderiamos dá certo, e que assim ele não precisaria ir na casa de sua namorada sozinho ja que lá era um lugar bastante perigoso e diz minha " namorada se chama Ja... e a irmã se chama Je..." (infelizmente tenho déficit de atenção e ambos os nomes na minha cabeça eram bastante parecidos), e também me disse que ambas faziam um curso na mesma sala que eu, depôs dele insistir bastante eu aceito.
Nota: Cristofe é meu amigo há 6 anos e namorava ela a alguns meses, eles moravam em cidades diferentes então pouco se viam, mesmo dizendo que a amava vivia fazendo piadas de mal gosto sofre algumas "frescuras de sua namorada" e fala coisas tipo de que era doido para ficar com a ex de um amigo nosso e dizendo que ele mesmo tendo amado ela, não deveria se importar por ser ex, e uma hora ou outra ela ia arranjar alguém, que pelo menos fosse um amigo.
No outro dia chegando no curso, sou recebido por uma garota que se apresenta como Je, ela era uma menina que falava muito, gostava de festas e sair para... e diz que ja tinha ouvido falar de mim pelo Cristofé e que ja estava esperando, em seguida ela me apresenta sua irmã, a Ja, Ja era quase oposto de Je, era tímida, não era de muitas palavras e prestava atenção em todas as aulas, como não lembrava quem era quem, deduzi que Je seria a namorada do meu amigo e Ja seria a garota que eu deveria conhecer, para completar, Je me disse que Ja tinha saído de um relacionamento complicado e o ex dela foi babaca.
Então após fazer amizade com Je, fui sentar ao lado de Ja, me apresentei e disse que queria ser seu amigo, ela então me olha com um olhar triste, pega os fones e me ignora, eu preocupado ao ver ela triste resolvo soltar piadas no ar, falando coisas engraças a pessoas perto dela para que ela ouvisse, mas simplesmente sou ignorado, até que ela retira os fones, me olha e diz "você não vai copiar?" Nesse momento havia desisto e resolvi ser sincero e disse "desculpa, comecei a fazer graças e contar piadas pq você parecia triste e eu queria te animar, queria me aproximar de você, quem sabe seu amigo mas entendo que quer ficar sozinha, irei lhe deixar em paz e estudar em outro canto da sala" então quando ia me levantar, ela segura meu braço e diz "Fica" me conta os motivos de sua tristeza e disse que não era feliz (também revela que os fones nem prestavam e que minhas piadas eram péssimas mas isso não vem ao caso).
Dias e meses se passaram e eu e Ja estavamos cada vez mais próximos, finalmente me sentir com alguém e finalmente ela mostrou quem era de verdade, uma garota alegre, engraçada e muito divertida, fazíamos tudo juntos e as vezes Je vinha junto mas tinha bastante ciúmes de nossa amizade, então meu amigo Cristofe pergunta como estão as coisas, então lhe digo que estou apaixonado e muito feliz, e que pretendia me declarar a ela, e para nós comemorarmos isso resolvemos marca uma pizza, me resolvo me arrumar, vestir minha melhor roupa, chegando lá os 3 estão me esperando sentandos em uma mesa, então, Cristofe se levanta e me apresenta JA como sua namorada e me revela que JE é a irmã, ele sem saber da confusão que eu fiz de nomes, diz que eu tenho algo a dizer para JE, então acabo me declarando a ela, com palavras que só a Ja entendia, o fiz e Je, talvez confusa ou por carência, simplesmente aceito, e passei aquela terrível noite com a irmã da menina que eu amava, e vendo a mesma beijando meu melhor amigo.
Algumas semanas se passam e sou apresentado como namorado de Je em sua casa, e começo a frequentar a mesma ao lado de Cristofe, mesmo ficando com Je, Ja e eu sempre nos isolavamos de Cristofe e Je para conversar e rir de nossas piadas bestas, Je talvez percebendo tudo oque está acontecendo manda eu me afastar de Ja apartir de agora, dizendo que ela não ia precisar de minha amizade e se aproximaria mais de Cristofe, e eu apenas estava atrapalhando, Ja ouve isso e me pede para não a deixar, sem saber oque fazer e confuso, eu me levanto e vou embora, Ja me acompanha, neste momento Je diz que se eu não fizer oque ela manda, vai está tudo acabado entre a gente, e que ela pagaria um de meus amigos para me deixar mal, eu digo que poderia fazer o mesmo e ela diz "Ja é minha única amiga, ela NUNCA trocaria o Cristofe por você" após ouvir isso, sem hesitar vou embora, me sentindo no fundo, caindo na realidade que meu amor por nada mais era que uma besteira, resolvo fazer algo que nunca havia feito antes, beber, com meio copo, Já estava tonto, resolvo me deitar.
Após me deitar tive a brilhante idéia de "Já que nunca vou ficar com a Ja e guardar isso só para mim está me matando, serei honesto com ela e me afastarei" mando a seguinte mensagem "Ja...não sei como lhe explicar, porém oque sinto por você não para controlar, eu te amo Ja... e sei que isso é um amor proibido ja que você namora meu melhor amigo, me perdoe, mas não quero ser uma pedra no caminho de sua felicidade, obrigado por tudo, adeus", Ja não costumava responder rápido, mas nesta noite por algum motivo ela viu, e disse "eu te amo, eu nunca senti nada pelo Cristofe, apenas aceitei namorar ele pq ele me pediu na frente de toda a minha família, e como nossas familias são muito amigas e por medo de decepcionar meus pais, eu resolvi aceitar, mas não sou feliz" eu sem entender direito tudo oque tava acontecendo, fico surpreso, mas digo que não poderiamos ficar, pois eu odeio traição, e namorar seria difícil, pq o pai dela me odeia e ja havia me ameaçado por deixar a Je além de amar o Cristofe, ele me vendo com a Ja só faria o ódio dele aumentar, então mostrando como séria impossível ficarmos juntos, digo para ela buscar a felicidade e oque a fizesse feliz, paramos de nos falar por um tempo e Cristofe vêm falar comigo muito triste, dizendo que Ja havia terminado o namoro, e que não era feliz, na hora me senti culpado, mas feliz por minha amiga.
Cristofe então me pede conselhos, qualquer coisa para ajudar a reconquistar Ja, então com uma enorme dor no peito eu digo "me desculpa, eu amo a Ja, não poderia ter ajudar" Cristofe então triste e surpreso me pergunta se eu ja havia ficado com Ja, e eu digo que não, depôs ele me pergunta se a felicidade dela fosse eu, se eu aceitaria ficar com ela, então eu lembro do que ele dizia a nosso amigo e digo "sim, você nem deveria se importa, ela é sua ex, e se ela for ficar com alguém melhor um amigo, certo ?" Cristofe então apenas ri e diz "ok, vamos da um tempo em nossa amizade, ambos a amamos então aquele que ela escolher para faze-la feliz e ficar com ela, o outro deve se afastar e não sair mais como o casal" mesmo por dentro que por fora eu dizia que ja havia desistido, por fora ainda havia esperança.
Alguns meses sem falar com Ja, sua irmã Je me chama até sua casa, para me apresentar seu namorado, um outro amigo meu que ela havia dito que namoraria e disse que eles eram um casal muito feliz, eu lhes dou parabéns e eles se convidam a ir a minha casa, e Ja é obrigada a ir por seus pais para reparar Je, então deixamos o casal ir na frente e Ja me trata friamente, ignorando e me deixando falar sozinho, chegando em casa, o "casal feliz" tem uma briga feia e pedem privacidade do quarto para eu e Ja, vamos para frente de casa e ela fala que ódio o fato que eu me afastei dela, começamos a nós falar denovo, até que falamos de pessoas que gostamos no passado e que nunca fizemos nada, então eu digo para ela tentar com alguém que a fizesse bem, ela coloca uma música, fecha meus olhos e me beija, depôs disso, eu e Ja começamos a ficar escondido. Se quiser saber oque acontece quando e Je descobre com o final em prints ai já é outra historia.
Eu sou babaca ?
submitted by Vitor_Lenon to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.04 03:00 Gamya_Juh Isso é realmente uma fase?

É, eu sou mais uma adolescente, tendo crises existenciais, não sei se é uma "simples" crise, mas ok, você poderia dizer oq vc acha da minha história...se isso vai passar ou se eu deveria fazer alguma coisa a respeito, enfim vou contar.
Oi! Eu tenho 14 anos, desde os meus 6 anos eu tenho dificuldade em me socializar com as pessoas ao meu redor, eu me acho estranha o suficiente para não merecer nenhum amigo, eu não sei as vezes eu prefiro ficar sozinha mas não me sentir só, não se te faço entender, mas pra mim ficar com as pessoas por muito tempo..me deixa triste e desconfortável, então prefiro ficar sozinha, e aí é o problema, se eu fico sozinha eu penso muito merda, tipo demais, aí eu não sei oq fazer, pois não me encaixo em lugar nenhum, eu só fico perdida, sem saber oq fazer.
Eu tenho um problema de coluna, escoliose, um desvio na coluna vertebral, como se fosse um (S), e isso as vezes enche minha cabeça, com os pensamentos "pq logo eu?" "Pq eu não nasci normal?" "Eu me odeio", minha mãe vive falando "tem pessoas com problema muito pior q o seu, mas isso não faz seu problema ser pequeno" eu não sei pq ela fala isso, com o propósito de me ajudar? De ver q eu sou tão inútil e egoísta por não pensar nos outros? Mas oq eu posso fazer se for isso? Não tenho como fazer nada pelas outras pessoas e nem ela por mim, ela falar isso só me faz sentir ainda pior, VC já deve ter percebido q eu sou uma pessoa bem pessimista e negativa, acho q por isso eu afasto as pessoas de mim, ninquém quer alguém assim por perto. Sabe as vezes eu me acho muito estranha, uma hora estou triste e outra hora estou pulando de alegria perto dos meus pais, e depois volto a ficar triste, e as vezes eu só fico triste mesmo.
Minhas dúvidas Muitas vezes já me perguntei se tenho Depressão, e essas coisas, na vdd as vezes eu acho q tenho um monte de doenças mentais, mas nunca tenho certeza de nada, não tenho ninquém para tirar minhas dúvidas, minha mãe sempre fala q ela tá ali pra mim, mas eu sei q não posso contar tudo pra ela, é complicado, ela já me trata como uma criança agora q ela já sabe de algumas coisas q contei, e q me arrependo de tudo q falei, pois não ajudou em nada! Absolutamente nada! Não me sentir melhor nem nada, acho q foi meu pior erro, mas pelo menos eu tentei, ela já me levou para um psicólogo q não ajudou em nada( na verdade eu não queria desabafar indo pro psicológo, eu só queria saber se tinha Depressão ou não, pra acabar de vez com essa dúvida). Não me orgulho do q vou falar mas já me cortei, e tá quase fazendo um ano q eu fiz isso, e sinceramente, queria voltar a fazer, mas isso séria ruim pra ela, pq ela iria perceber, e prometi q não faria isso de novo, mas já fiz depois da promessa então esquece, sabe, essa parada de se cortar pode não ajudar em nada do q tô passando mas....isso me alivia um pouco, eu gosto de ver, é viciante, é fascinante.
Minha família Sabe as vezes eu acho q não mereço eles e as vezes eu queria só nunca ter conhecido, sabe no geral eles são bons pra mim, como já disse não acho q mereço pais tão bons, minha mãe sempre quer o melhor pra mim e meu pai tbm, nunca me faltou amor e carinho dos dois, e por isso acho q não mereço eles, tem tanta gente sem os pais no mundo, tanta gente melhor q eu, q realmente merecia a viver os melhores momentos com pais carinhosos e cuidadosos, me sinto ingrata por reclamar de tudo, uns anos atrás minha mãe dizia q eu reclamava demais, então eu parei de fazer isso perto dela, talvez não foi a escolha certa, vendo q agora guardo tudo pra mim. Meu pai sempre bebeu muito, e quando ele fica bêbado me dá nojo, eu só quero sair do lugar, mas eu sei q se eu sair, alguma coisa ruim pode acontecer, tipo uma briga entre ele e minha mãe, no q eu iria ajudar se isso acontecesse? Não sei mas pelo menos eu poderia evitar isso, sério é perturbador ficar no quarto sozinha, e é só ouvir um barulho diferente na sala ou eles aumentarem o tom de voz, o coração disparar e ficar com medo sempre! As vezes eles só estam rindo de alguma pisada e eu acho q eles já estão brigando. Todas as vezes q meus pais brigam é por causa do meu pai q fica bêbado e faz merda, eu já falei pra minha mãe, q eu já teria me separado a muito tempo dele, minha mãe por alguma porra de motivo contou isso pra ele, e ele ficou chateado comigo por um tempo, mas ainda sim não me arrependo e nem mudei de ideia, uma briga q tiveram q pra mim foi a gota d'água! Estava eu, meu irmão, meu pai, minha mãe e mais 2 pessoas no carro, meu pai estava dirigindo e fazendo gracinha e zig zag na pista, minha mãe ficou pt e tava gritando pra ele parar e xingando ele e talzs, aí meu pai deu dois tapa na cara dela, aí eu gritei pra ele parar e começei a chorar, ele mandou calar a boca, e eu parei, lembro disso como se fosse ontem, fiquei com tanta raiva do meu pai q só queria q ele sumisse e nunca mais voltasse, todas as vezes q eles brigam é na nossa frente, não é por querer, mas acontece, acho minha mãe muito boba de não se separar, a vida é dela então fds, se ela quer ficar com ele assim seja, mas quando ela chora sou eu q tô lá pra ela, sempre, infelizmente eu e meu irmão q sofremos com isso, já q é tudo na nossa frente, não sei oq meu irmão pensa disso tudo, é mais novo q eu, acho q ele não liga muito pra isso, mas sla, ele é mais na dele e talzs.
Portugal Eu vim pra cá no início de 2019 e foi um caos, minha mãe ficou ausente por uns 4 meses, pois ela tinha 2 empregos e precisava trabalhar para nos sustentar aqui, já q viemos eu, meu irmão e ela primeiro, depois viria meu pai, acho q isso deu brecha pra eu me isolar ainda mais, meu pai tentou vir pra cá em Abril de 2019, mais ele foi barrado e levado de volta pro Brasil, choramos muito, pois iria ser uma surpresa pra mim e meu irmão, só minha mãe e a minha família no Brasil sabia, eu reparei no dia, minha mãe estava estranha, no final da noite ela nos contou q ele foi reportado, choramos um monte, acho q nunca fiquei tão perdida na minha vida, eu não sabia oq iria acontecer, se voltaríamos ou se iríamos tentar de novo, enfim meu pai conseguiu embarcar de novo em julho, e foi a surpresa do meu aniversário, foi muito bem ver ele, não estava acreditando q era real, enfim chorei um monte, depois de um tempo, meu pai sempre reclama, quando bebia, de saudades do Brasil, dos amigos dele dos irmãos (ele só ficava na rua bebendo, minha mãe não aguentava mais, e pra salvar o casamento deles, ela decidiu vir pra cá, ficou um tempo guardando dinheiro, largou o emprego e viemos pra cá) isso me preocupa, pois tenho medo de ele ficar deprimido e essas coisas, enfim, aqui em Portugal eles fizeram amizade com um casal q bebe muito tbm, e pra "socializar" minha mãe, q não bebia muito, começou a beber, e antes ela ficava preocupada, com meu pai bebendo, e essas coisas, agora parece q esse papel ficou pra mim, pois os dois estão bebendo (acho q ela viu isso uma oportunidade de ficar mais com meu pai) e sério, eu com a mente q eu tenho, com as merda na minha cabeça, vai ser uma preocupação "normal"? Não mesmo cara, toda vez q eles bebem, nem q eu fique a noite inteira observando eles sem fazer nada eu amo durmo, afinal não consigo mesmo, agora sinto nojo dos dois, mas ver minha mãe nisso é muito estranho, sabe quando parece q a pessoa é tão forçada q dá preguiça de ficar perto? Então é isso q sinto, tô tentando mudar isso, tacar o fds nesses dois e fds tudo, mas é difícil cara, é contrangedor ficar com meus pais quando estão perto do seus amigos, fazem umas piada q meu deus, enfim, se vc leu até aqui, tu sabe da minha vida toda kkk e me diga oq vc acha disso tudo, se tem erro de português me desculpe e desculpa por dizer tudo isso, queria fazer como se eu tivesse falando tudo pra um amigo mesmo, bem...ah! Se vc acha q eu consigo mudar alguma coisa, se tem alguma forma de mudar, comente aí, algum conselho, e....
Obrigada por ler!
submitted by Gamya_Juh to desabafos [link] [comments]


2020.04.10 00:44 CabacinhoBreaker Conto: Carta Para Zeca

Quanto tempo leva para uma reflexão tomar forma dentro do circuito do pensamento emotivo? Emoção é a reação do que afeta direta ou indiretamente o nosso campo de sensores que são vastos, digo isso para todos aqueles que creem no invisível e que salta aos olhos como uma silhueta na escuridão. Está tão perto e tão latente mas, qual a medida para entender tudo isso? A razão é a balança dos aflitos que velejam numa nau à pique.
Zeca observava o mundo de longe certo de que estava antes daquela vírgula da existência, essa que faz refletir, protegido no receptáculo de sua antena parabólica ficava estático ele mesmo, assistia a novela de Rebeca sua vizinha, nascida de dias e com uma mãe desastrada. Batia de lá e de cá seu corpo mas nunca deixando a recém nascida amassar nas portas, embora parecesse que o pai quisesse. Zeca já tinha testemunhado o pai, grande e corpulento, de olhos fundos e nariz perfurante, olhando para a mãe, passava para Rebeca, e parecendo um surto de arrependimento da existência da menina, fechava a porta na cara da mãe. Ela não prestava, e parecia um vegetal, ele era quem dava energia para uma casa toda com seus dedos que pegavam o que queria na sua geladeira fedida; seus pés descalços que descarregavam toda uma tensão da casa, o que Zeca achava engraçado, se pudesse passar a navalha nesse calcanhar invisível da mágoa ele desjuntaria o pé inteiro.
De conversa com ela uma vez Zeca insistiu no motivo de ela estar onde estava, a mãe olhava a menina com uns olhinhos de jabuticaba que dava brilho no canto, daí olhava para o chão e virava o olho para dentro buscando uma saída do que ele não podia evitar, daí lançava a mão parecendo que ia descolar do corpo, mole de lado, dizendo que quem sustentava a casa era ele e Rebeca era uma inspiração de vida! Desse jeito mesmo que saía, ela botava tanta convicção que as palavras vibravam quando saiam de sua boca, a última até parecia uma moeda que estava debaixo da língua e escapou sem querer. Olhei nos olhos dela, rasos.
Agora Zeca insiste em tomar uma dose de verdade todo dia, recolher todas essas moedas que caem dos olhos e das bocas de seus amigos, juntando tudo um dia talvez ele compre a tão sonhada liberdade que ele persegue de dentro de seu barquinho.
“Mandai a faísca de um raio pra me iluminar
Segura pedra na pedreira não deixa rolar
Xangô, Kaô meu pai
Seus filhos bambeiam mas não caem”
Zeca
Carta Para Zeca
Olá meu querido amigo, como você está? Espero que bem.
Eu estava mexendo nuns papéis antigos e reli uma crônica que você me fez 3 anos atrás, lembrei tanto de você esses tempos que resolvi escrever.
Hoje é dia 24 de dezembro e está um calor danado aqui em São Bernardo, me mudei para o Silvina depois de uns dois meses que a Rebeca nasceu e foi uma das melhores coisas que fiz; a casa é bem maior, porém fica bem perto do ponto de ônibus lá na ponta do morro.
Por falar em Rebeca ela não para mais. Anda de um lado pro outro Zeca como se fosse a rainha da casa, pega as panelas e bate tudo no chão. Devaldo nem liga mais depois de comprar a quinta, e eu não faço questão também, ela precisa de brinquedos e eu me viro como posso sabe?
Falando nele, sua crônica foi importantíssima para mim Zeca, você sempre me estimulou a escrever e só fiz isso agora, depois de anos, porque me sinto muito mais segura e motivada. Ainda lembro de cada palavra sua. É claro que é meio desconcertante também, você escreve tão bem e eu não sabia nem articular o que se passava dentro de mim, agora vou te falar, da melhor forma que eu encontrar.
Devaldo parecia que tinha desistido de tudo, aquele jeito turrão e mandão dele de ser passou depois do primeiro ano da nossa filha, eu agradeci muito à Deus, mas ainda faltava alguma coisa sabe? Ele parecia fantasma dentro de casa Zeca, a gente não tinha brigado nem nada e ele me procurava bem pouco para fazer amor, dizia que a rotina do serviço estava acabando com ele mas eu não precisava me preocupar com nada, que focasse na pequena pra ela não ficar que nem as “meninas do pé do morro”. Elas gostam muito de transar Zeca, e com qualquer um que passe no pé do morro, qualquer um; eu já vi elas no mato e não vou nem dizer como porque quero esquecer.
Depois de ver aquilo dei razão pro meu marido, e mesmo ele me tratando um pouco melhor ainda não era o meu ideal, ele foi meu primeiro homem e eu esperava tanto dele, mas seus problemas sempre futucavam nosso lazer; fim de semana tinha um extra no serviço que era imperdível, mais seis horas longe de sua família, o que virou rotina depois de um tempo fazendo isso; pegou confiança e virou o ponta firme na firma que não faltava em nada.
Quanta decpção. Quando Rebeca fez um ano que desastrou tudo, ainda bem que tenho meus amigos lá do morro pra me dar assistência e fumar um né? Quem tem filho fuma também, não me julgue.
Eu acostumei não ter mais a presença dele em casa aos poucos, Rebeca sempre foi bem quieta e não me tomava muito tempo para o cuidado, mas isso porque amo essa menina e nunca me deixou nervosa. O fato é que comecei a me sentir bem sozinha, e carente sabe? Sem nenhum contato. Eu procurava Devaldo e ele nem aí pra mim, até que um dia aconteceu um troço inesperado Zeca, eu tinha mensagens de um crush do ônibus que queria porque queria me conhecer.
Não me julgue por falar o que vou falar. O nome dele era Jonas e disse que queria me conhecer, eu falei que pessoalmente não, mas a conversa foi rolando, eu disse da minha filha e ele me mostrou a dele, uma mulher já de dezesseis anos toda formada, o cara era “velho” e eu tinha vinte. Claro, não mencionei Devaldo pra ele.
Ele me dava toda a assistência que eu estava querendo, perguntava como foi meu dia, me ouvia, e a gente conversava sobre tudo Zeca, só achei uma coisa estranha. A primeira vez que ele me ligou achei super esquisito, sabe aqueles homens que tem a voz bem fina? Era a dele, mas chegava a parecer uma garota em certos momentos. Achei estranho mas foi só impressão.
Jonas não me faltava em nada, ele me fazia sentir como se fosse uma menininha de novo, ás vezes eu até esquecia que tinha um marido em casa Zeca, cheguei até a olhar pro Devaldo pensando nele, nas fotos que me mandava… sinto vergonha disso mas é a verdade. Mas também nunca fui tão fundo assim com ele, por mais que fosse gostoso eu não conhecia ele de fato e não ficava mandando fotos nem nada, mas me deixava num fogo que eu virava um rio.
Depois de uns quatro meses na conversa eu criei coragem e fui atrás dele, chamei para marcar um encontro e liguei né, ele esperava tanto por esse momento que o telefone quase não deu o primeiro toque. “Eu preciso te contar uma coisa antes da gente se ver”. O que era agora já que ele queria tanto? Esperei os trinta segundos mais longos da minha vida até que ele despejou tudo sem ensaio. Eu sou mulher.
Foram só três palavras, mas me deram uma rasteira literal, eu que estava em pé caí sentada no chão da cozinha Zeca, eu não podia acreditar. Fiz muitas perguntas e ela me respondeu todas com muita calma, apesar da minha revolta. Me disse que realmente pegava ônibus comigo e me achou linda, e depois de uma visita no face chamou um amigo dela, o Jonas. Ele fornecia tudo em tempo real, mas nos telefonemas e áudios era ela mesma.
Falei várias vezes pra ela que não gosto da mesma coisa que tenho no meio das pernas, não vejo graça Zeca. Ela ficou super triste, ainda mais quando teve que me passar o telefone do Jonas de verdade, queria pelo menos conhecer o cara que me apaixonei. Já faz um tempo que isso aconteceu e mesmo assim ainda lembro vez ou outra, me enganaram de uma esdruxula e me lembro exatamente como me senti.
Me lembrei de você e tudo que me dizia, tentei descrever o que sentia. Você já passou por isso; você passa uma noite inteira na rua, sozinho e com frio, e encontra um cantinho pra encostar e cochila por lá mesmo até o Sol começar despontar e tocar sua pele, te aquecendo aos poucos até brilhar bem forte e você voltar pra casa. Eu voltei para casa Zeca.
Deixei tudo isso de lado e pesquisei sobre aquilo que você me falava sempre, que a vida é efêmera e é importante viver bem; hoje entendo o que você me dizia. Fui nessa semana também no lugar que recebem os espíritos que você ia, me pediram para ter juízo olha só! Eu não discordei, até gostei da sensação que me trouxe.
Eu comecei a prestar mais atenção em casa depois do que aconteceu, e tive mais coragem para me abrir e falar com Devaldo, ás vezes eu só precisava estimular ele um pouco, e com o tempo ele foi me olhando de outra forma, viu que podia cofiar em mim como parceira; o stress do trabalho até diminuiu e o tempo dele lá também, começamos uma fase tão bonita Zeca. O espaço que ele preenchia com seus dedos agora tinha um toque mais sutil, e mesmo que o hábito ruim de olhar o telefone do outro tinha ido embora fazia um tempo me bateu uma curiosidade. Descobri que ele me traiu duas vezes com a mesma pessoa, ele transou com outra.
Não falamos disso nunca, ele não sabe que sei e eu não guardo rancor, ele se arrependeu nas mensagens com a garota e depois que as coisas melhoraram entre a gente me sinto muito mais feliz. Não vou dizer que o amo, mas me sinto apaixonada por ele cada dia mais, estamos nos descobrindo juntos Zeca. Não vou tomar mais o seu tempo, só queria dizer que o canto que você morava está muito bem iluminado agora.
Ontem o Pepeu me chamou pra fumar lá no escadão e disse que tinha uma surpresa, e que surpresa Zeca! Enquanto a gente fumava olhando pro Montanhão ele começou a iluminar todinho, foi ascendendo de baixo para cima, nunca vi ele tão bonito. O morro agora tem luz na rua.
Não me aguentei, olhei pra cima e comecei chorar quando vi que a Lua se encaixava bem na ponta do morro, parecia até que tinha sentado no campinho de terra; a árvore de natal mais bonita que montaram pra gente meu bem. Pepeu chorou comigo, dava pra ver os bracinhos balançando lá da ponta do morro de alegria.
Você faz falta Zeca, tiraram sua vida tão curta cara, mas como você mesmo diz, a vida é efêmera. Vou guardar sempre no meu coração a lembrança de cada momento e prometo abrir a mente de alguém com o que você me ensinou, e me ensina ainda. Vou queimar essa carta no pé do morro, quem sabe um dia quando você passar por lá veja todas essas palavras na poeira.
Te amo meu amigo.
submitted by CabacinhoBreaker to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.03.22 08:50 amornostemposdequa O telefone tocou novamente

O celular de Sabrina tocou novamente na noite escura do quarto profundo e solitário, iluminando o teto de pvc branco. Ao lado do criado mudo onde esperneava o celular, Sabrina estava jogada na cama de solteiro de barriga para cima olhando o teto estateladamente, vestida com um camisa do Legião Urbana que tinha há muitos anos e uma calcinha de flores vermelhas também já meio velha mas que era extremamente confortável.
Na tela do celular que brilhava em verde, o namorado a chamava desesperadamente de outra cidade. Pegou ele com a mão direita e apreciou sua foto antes de atender a ligação. Virtualmente perto, fisicamente longe. O vírus da saudade já estava em estado avançado em seu corpo e na sua alma.
— Oi, como que tá aí? — Perguntou Jhonatas do outro lado da linha.
— Aqui tudo tranquilo apesar do tédio. O que você tava fazendo antes de ligar?
— Tava fazendo Duolingo. Quer saber o que acontece quando você termina todas as unidades?
— O que? — Sabrina perguntou colocando o fone de ouvido.
— Nada.
— Ué..
— A corujinha fica doirada também. Igual aos troféuzinhos.
— Podia dar pelo menos um certificado né?
— É.
— Mas sabe o que eu queria tá fazendo agora? — Perguntou Jhonatas.
— O que?
— Queria tá fazendo duolingo com você.
— ai meu deus.. kkk você é demais Jhon
— O que? kkk
— E pior que eu raspei ela hoje. Não tinha nada pra fazer mesmo.
— Humm… manda um nudes aí então pra mim vê.
— Tá, mas vou desligar porque eu fico com vergonha.
— Tá bom.. — Disse Jhonatas finalizando a chamada. Alguns segundos depois no mensageiro instantâneo apareceu uma foto da cremosa lisa vestindo a calcinha de flores vermelhas. A pedido dela ele também enviou imagens do zezinho e iniciaram uma transa virtual apenas com nudes, emoticons e palavras obscenas que eu não vou reproduzia aqui porque estou com preguiça e porque não interessa a nós.
Ao terminarem seus orgasmos virtuais o telefone tocou novamente. Sabrina foi atender mas não era seu amor e sim algum número de telemarketing que ainda insistia em não mandar seus funcionários para casa. Não atendeu e não demorou muito para Jhon ligar para ela pelo mensageiro instantâneo.
— Alô.. — Disse Jhonatas.
— Oi, tô aqui.
— Vou te falar pra quando você mandar foto, evitar deixar o rosto aparecer.
— Mas eu confio em você — Disse Sabrina.
— Eu sei mas vai que alguém hackeia meu celular ou qualquer coisa assim. Melhor não dar mole.
— Verdade. O que você ta fazendo agora? — Pergunta Sabrina com fone de ouvido e deitada novamente de barriga para cima na cama enquanto encarava o teto.
— Nada… na verdade eu daria tudo por um cigarro agora. — Jhonatas falou e foi até a janela procurando algum cigarro pela metade que possa ter ficado perdido antes que ele decidisse parar de fumar.
— Não tem lugar aí vendendo mais? — Sabrina perguntou.
— Até tem mas eu sou do grupo de risco, e cê é loko eu gosto e viver. Não quero morrer se por acaso pegar essa porra. E também a gente dura mais quando não é fumante.
— Dura mais é? kkk
— Sim.. E vai ser a primeira coisa que eu vou fazer quando acabar essa quarentena. Noite inteira vapo vapo.
— Nossa quero ver. Prometeu tem que cumprir.
— ouh droga não era pra ter falado nada então kk — Jhonatas foi até a janela do seu quarto que era no segundo andar e olhou a avenida principal que costumava estar sempre movimentada de carros igual uma artéria sanguínea mas que agora era só luz e silencio.
— Sabrina, você pensa em ter filhos?
— ihh tá batendo aí o relógio biológico é kk Na verdade não sei.. nunca pensei nisso. Acho que depois da faculdade quem sabe.
— Não é relógio biológico.. ou é sim.. kk sei lá. É que dizem que depois de uma catástrofe sempre tem um grande número de nascimentos aí eu imaginei só nos dois tendo que repovoar o mundo. A gente ia poder andar pelado igual Adão e Eva.
— kkk nossa, ia ser legal mas só se tivesse uns bichinhos igual no paraíso. — Sabrina falou e um grande silencio ficou entre as duas linhas telefônicas.
Jhonatas ainda olhava as ruas vazias e noite iluminada pelas estrelas. Um dia perfeito para tomar um sorvete na praça. Soltou um suspiro que foi ouvido a quilômetros dali por Sabrina em sua casa.
— Está bem aí? — Perguntou Sabrina.
— Tá tudo sim. Eu vou desligar que to com fome. Depois a gente se fala tá bom.
— Tá bom..
— Sabrina?
— Oi.
— Te amo.
Sabrina ficou meio segundo sem saber o que dizer. Era a primeira vez que ele dizia isso e sua voz parecia esperar uma resposta. Ela não gostava de romantismos e nem ele era o grande amor de sua vida mas todos precisamos de alguém para suportar tempos sombrios. Se permitiu dizer eu também mesmo gaguejando na primeira vez.
Medium
submitted by amornostemposdequa to rapidinhapoetica [link] [comments]


EU PRECISO DIZER QUE TE AMO Banda Magníficos - Telefone Fora de Área TARÔ RESPONDE,ELE VAI DIZER QUE ME AMA❓❓ 8 MANEIRAS DE DIZER EU TE AMO FELIZ DIA DOS PAIS HOMENAGEM ESPECIAL 2020 / DIEL SANTOS - POESIA DIZER EU TE AMO PRIMEIRO 11 Maneiras De Os Cachorros Dizerem 'Eu Te Amo' - YouTube ✰.•*¨ Para Sempre Eu Te Amo✰.•*¨ QUANDO DIZER 'EU TE AMO'?

Qual é o momento certo de dizer “Eu te amo”? – MeApaixonei ...

  1. EU PRECISO DIZER QUE TE AMO
  2. Banda Magníficos - Telefone Fora de Área
  3. TARÔ RESPONDE,ELE VAI DIZER QUE ME AMA❓❓
  4. 8 MANEIRAS DE DIZER EU TE AMO
  5. FELIZ DIA DOS PAIS HOMENAGEM ESPECIAL 2020 / DIEL SANTOS - POESIA
  6. DIZER EU TE AMO PRIMEIRO
  7. 11 Maneiras De Os Cachorros Dizerem 'Eu Te Amo' - YouTube
  8. ✰.•*¨ Para Sempre Eu Te Amo✰.•*¨
  9. QUANDO DIZER 'EU TE AMO'?

TARÔ RESPONDE,ELE VAI DIZER QUE ME AMA Aprendiz de Feiticeira ... Como lidar com intrigas e pensamentos negativos TEMS Templo Espiritual Maria ... Aprendiz de Feiticeira 1,043 views. Como saber se o seu cachorro é feliz? Você sabia que os cães basicamente têm todas as mesmas estruturas cerebrais que as nossas para produzir emoções? Graças... #AMOR #Love DIZER EU TE AMO PRIMEIRO Afinal, quem deve dizer 'EU TE AMO' primeiro? E esse jogo de que, aquele diz antes é mais vulnerável? ... 8 perguntas para saber se ele te ama - Duration: 14:15. Quem nunca errou a hora de dizer 'EU TE AMO'? Eu já errei, confesso. Mas será que tem hora certa pra isso? Bem, enquanto ninguém acerta esses ponteiros, sigo uma receita pra tomar coragem (e ... MANEIRAS DE DIZER EU TE AMO MANEIRAS DE DIZER EU TE AMO MANEIRAS DE DIZER EU TE AMO. Category ... 8 perguntas para saber se ele te ama - Duration: 14:15. Cátia Damasceno 1,815,847 views. Para Sempre Eu Te Amo O amor só é lindo quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser. O amor é para quem tem paciência. É para quem tem coragem de ser a razão do ... Banda Magníficos - Telefone Fora de Área Ai, que vontade de ficar com você em uma palavra só queria dizer Eu te amo, te amo, te amo Quero falar olhando no seu olhar E dar um fim nessa saudade ... Amor de verdade não magoa, não faz sofrer. não decepciona. não ilude amor de verdade cuida. quer estar perto. respeita amor de verdade quer um cheiro. um abraço. um beijo amor de verdade quer ... Todo dia é dia de dizer, eu te amo pai Você é importante para mim Obrigado por tudo Eu te amo Ame seu pai profundamente Cuide, valoriza é dá amor A VIDA passa rápido demais Aproveite os bons ...